browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Thomas Soares | Energia Livre

O 14 º Fórum Internacional do Software Livre e a Revolução Energética

Publicado por Thomas Soares

Há décadas neste planeta algo tenta emergir, brotar, dar a luz. Forças colossais lutam para adiar o inevitável: o nascimento de uma nova e melhor estrutura organizacional humana.

O movimento Software Livre é um exemplo desse novo paradigma. Solidariedade, altruísmo, abnegação e valorização da criatividade em sua essência são termos que aderem ao modo de ser e agir daqueles que aceitaram o preço de estar adiante de seu tempo na Tecnologia da Informação. Os efeitos libertários dessa filosofia são consequência e não causa. Fazer o bem pelo bem, desinteressadamente é uma das motivações dos programadores que ao longo dos anos tem oferecido seu tempo e talento para criar sistemas grandes e complexos como o pacote de escritório que uso neste momento, o Libreoffice.

Os saltos revolucionários tem ocorrido de modo mais ou menos espontâneo pois as elites dominantes vislumbraram antecipadamente os potenciais de ganho material. As Revoluções Industrial, Tecnológica, das Comunicações, Eletrônica, Computacional e finalmente da Internet foram moldadas segundo os ditames daquele 1% dos humanos que coordena tudo o que ocorre no planeta. As novas potencialidades que cada uma dessas Revoluções ofereceu foram rapidamente transformadas em realidades de poder e acumulação de bens materiais para o 1%. Porém a Revolução que tem sido suprimida é a maior e mais transformadora de todas: A Revolução Energética !

A atração mais chamativa deste fisl14 foi, sem dúvida, a bobina de Tesla. Muitos foram apresentados a Nikola Tesla no fisl de 2013 ! Mesmo sendo ele o responsável pela Revolução da corrente alternada que está na base do mundo moderno. Vencendo a disputa com o inescrupuloso Thomas A. Edison, Tesla inclusive reinventou a lâmpada para evitar as patentes de Edison e então iluminar por completo a Feira Mundial de Chicago de 1893. Desde 2011 tenho oferecido palestras no contexto da Revolução Energética. Em 2011 discorri sobre os fundamentos desse movimento e em 2012 mostrei as pesquisas que vinha então realizando com a eletrólise embarcada para a produção do gás hidroxi ou HHO, que ajuda na queima de combustíveis a base de hidrocarbonetos. Este ano abordei o tema eletricidade no contexto do que Tesla propunha quanto às ondas transversais no Éter e a Energia Radiante.

Durante os quatro dias do evento fiz o que pude para me desdobrar entre as funções de gerência da infraestrutura, atendimento das múltiplas demandas que sempre surgem inesperadamente em um evento como o fisl, articulações e explicações sobre os dispositivos que contruí e que foram mostrados em uma singela área de exposição. Creio que conseguimos expandir um pouco mais a rachadura da barragem que foi criada para conter a Revolução Energética. Inclusive a ASL realizou contatos com o Secretário Executivo do MCTI, Luiz Antônio R. Elias, que solicitou que lhe fossem enviadas mais informações sobre as tecnologias de Tesla quanto a Energia Livre.

Nesta mesma ocasião, tivemos a oportunidade de conversar também com o professor Jorge Audy Pró-Reitor de Pesquisa, Inovação e Desenvolvimento da PUC-RS que mostrou interesse muito grande pelo tema e ventilou a possibilidade de incubar o projeto na universidade.

Também conversamos com o Secretário Municipal, Cezar Busatto, sobre uma tecnologia específica a ser usada em veículos que pode reduzir a emissão de poluentes…

Com a excelente palestra de Sterling Allan foi oficialmente inaugurado no fisl o assunto e é grande a esperança de sensibilizar mais pessoas para a emergência atual! Assim como já temos a Liberdade Tecnológica via Software Livre é vital ampliar a luta pela Energia Livre. Pelo menos desde 1880, com Tesla, já existem tecnologias que nos permitiram obter potência elétrica em qualquer parte do planeta, em qualquer quantidade e sem nenhuma poluição. Energia gerada descentralizadamente elimina o risco de apagões, dependência de chuva, sol, vento, de acesso a material combustível, etc…

A principal justificativa explícita das elites econômicas (o 1%) para opor-se à Revolução Energética é a crença deles de que existe muita gente na Terra. Que não existem recursos para sustentar um padrão de vida razoável para todos. Que com energia sendo disponível e globalmente abundante haveria uma explosão populacional maior do que o que já vemos nas últimas décadas. Mas essa justificativa maltusiana e eugênica é apenas a fachada. O que as elites temem é perder o controle da “plebe” quando for eliminada a ´premissa da escassez´. Tudo falta, tudo é pouco, tudo é restrito: alimento, transporte, aquecimento, resfriamento, iluminação, etc… Há milênios fomos condicionados a pensar e agir segundo o princípio do “ganharas o pão com o suor de teu rosto” pois o pão não dá em árvores… Certamente o acesso fácil e abundante à energia não eliminará o trabalho mas, sim, transformará nossa relação com ele. Vivemos do berço à tumba com bolas de ferro atadas nas mão e pés. Tudo que fazemos é tremendamente lento e ineficiente pois tudo demanda energia em cada transformação de estado, movimentação, etc… A Energia Livre devolve à humanidade o exercício da criatividade sem restrições.

O fisl tem sido um farol nos últimos 13 anos. Houve época em que tivemos maior participação da iniciativa privada, mas atualmente grande parte dos recursos para o evento vem do governo. Os motivos são variados mas, pessoalmente, prefiro a explicação de que existem atividades que precisam ser puxadas pelo poder público, por mais ineficiente, incompetente e corrupto que seja ! Construir infraestrutura, estradas, pontes, eletrificação, etc… é algo que não traz lucro imediato e por isso é desinteressante ao Capital. O Capital prefere a “privatização”, mas isso já é outro assunto. De qualquer forma o ponto aqui é que o fisl sendo um exemplo de ação e apoio do Poder Público em favor do Software Livre está indiretamente contribuindo com a Revolução Energética que é o exemplo máximo de Infraestrutura.

Assim, as conversas que tivemos no fisl de 2013 com pessoas em posição de poder no governo renovam a esperança de investimentos e estímulo para pesquisa profissional e quantitativa sobre Energia Livre. E nem é preciso começar do zero!! Na Internet pode-se encontrar milhares de relatos de pessoas que, como eu, reproduziram tecnologias das mais variadas possível, sobre fenômenos ditos “extraordinários” na geração e aplicação de potência elétrica, química e mecânica. Com a experiência que adquiri nos últimos dez anos de estudos é relativamente fácil separar o joio do trigo e assim escolher algumas propostas mais promissoras, avançando rapidamente na obtenção de resultados concretos e aplicações úteis.

Concluindo, depois de participar da Revolução da Micro Informática, da Internet e do Software Livre, é a Revolução Energética a que mais está me entusiasmando e certamente será onde aplicarei todos os meus esforços em quanto me restar energia vital!

 

Thomas Soares Energia Livre

Professor Thomas Tschoepke Soares

Thomas Soares é engenheiro, militante pela Revolução Energética, vegetariano e pesquisador sobre permacultura. Possui graduação em Eng. Metalúrgica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1992) e mestrado em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais – Departamento de Materiais (1994). Tem experiência na área de Engenharia de Materiais e Metalúrgica, com ênfase em Propriedades Físicas dos Metais e Ligas. Trabalha como consultor em Tecnologia da Informação, redes de computadores, segurança e infra-estrutura em geral. Pesquisa sobre fontes alternativas de energia.