browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Thomas Soares | Energia Livre e a Revolução Energética 2

Democratização da Ciência e Tecnologia! Onde?

Por Thomas Soares

Muito se diz ultimamente sobre este ou aquele aspecto de nossa realidade pós-moderna ter sido “democratizado”. Por exemplo: “Os meios de comunicação foram democratizados pele avanço da tecnologia digital”. Mesmo não sendo antropólogo, linguista, sociólogo, etc… me causa arrepios este tipo de banalização do conceito de “democracia”. Mesmo com a liberdade poética de um engenheiro que sou, sinto que democratiza está intrinsecamente relacionado com o controle de algo estas nas mãos do “demos”. Grosso modo, demos designa uma porção representativa do povo, se não for todo o povo. No caso de que se usa uma amostra, esta não deve ser escolhida tendenciosamente, isto é, a amostra de uma população não pode ser separada de uma específica classe de pessoas, uma específica região, credo, posição social, etc…

Atualmente a “democratização” da ciência (com “c”) é especial privilégio de uma casta que se acastelou na ditas universidades e centros de pesquisa. Eles ditam o que é possível e o que é impossível. Ocorre que muito que dizem ser impossível já foi realizado por inventores e pesquisadores “ignorantes”, pois ignoravam que algo era tido como impossível e assim realizaram… Os dogmas mais importes não mais nos são impostos por alguma instituição religiosa mas sim por instituições de ensino (com “e”) e pesquisa (com “p”). Interesses pessoas, econômicos e políticos criaram uma espécie de censura que controla a ciência. Isso, pelo menos, desde Nikola Tesla em 1884. Basta estudar a biografia deste gigante da Ciência e da Tecnologia que a conclusão é inescapável: Somos forçados a viver na idade dos Flitstones mas já poderíamos ser os Jetsons !

Seria fácil listar exemplos de casos e mais casos onde um inventor foi além da “inovação” e propôs uma revolução e então rapidamente foi suprimido. Citando J. P. Morgan: “Se não posso colocar um medidor não pode existir!”. Assim foi que respondeu a Tesla quando este finalmente revelou a Morgan em que estava usando o dinheiro do banqueiro… Tesla já dominava uma tecnologia que daria a todas as pessoas energia elétrica grátis , infinita, limpa e assim democratizaria a energia. Mas quem quer democracia ?! O exemplo de Tesla é fácil posto que é o mais espetacular. Mas desde lá muitos inventores, mundo a fora, desenvolveram sistemas, dispositivos, engenhocas que se tivessem seguido o rumo natural nos dariam antigravidade, transporte para qualquer pate do sistema solar ao alcance de todos, fim da fome, doenças, guerras em geral, etc…, etc…

Mas, e sempre tem um ´mas´, o interesse econômico daquele 1% que controla este planeta se opõe a qualquer tipo real de democratização. Muitos inventores revolucionários foram mortos, outros comprados, outros ainda aceitaram o convite de passar para o “outro lado”. O que é este “outro lado” ? É o lado dos “black project” como dizem em Inglês. Centros de pesquisa dentro de bases militares, empresas especialidades em “defesa” (eufemismo ridículo) como a Boeing, Lockheed Martin, Halliburton, etc… Neste “outro lado” tudo é secreto, existem treze níveis acima do dito “top secret”. Nem os presidentes eleitos “democraticamente” tem acesso a estes setores obscuros que empregam recursos que nunca passam pelos orçamentos oficiais dos países, que não tem origem definida e cujo tamanho ninguém sabe ao certo. Os inventores que passam para o outro lado desaparecem para o resto do munto. Um exemplo disso seria a comédia “Homens de Preto”, aqueles que se tornam agentes não são mais como nós, gente. Perdem todo o contato normal com os “civis”.

Usualmente neste ponto as pessoas reagem com desdém em alusão ao termo “teorias conspiratórias”. Há mais de dez anos investigo diversos assuntos sob a ótica da engenharia e o termo “conspirações econômicas” me parece bem mais adequado. Algo que funcione bem “de mais”, que resulte de uma ruptura do status quo, que descentralize e assim democratize qualquer aspecto da realidade, não só é economicamente inviável mas sim inaceitável. Um exemplo trivial. Quem lembra do sistema Betamax ? Muito superior ao VHS. Venceu o melhor ? Venceram os interesses econômicos. E assim por diante… Já poderíamos viver como os Jetsons e até melhor em todos os aspectos da vida.

Especificamente sobre energia basta procurar por Brian O´Leary no Youtube, por exemplo, e acompanhar suas palestras instigantes e angustiantes, pois ele nos convence de que já existem aqui tecnologias que poderiam tonar a Terra um paraíso. Mas o Brasil não está adormecido ! Um exemplo disso é o www.institutotesla.org. Fundado em 2012 em Brasília, tem como uma de suas metas reconstruir os projetos de Tesla quanto à democratização real da energia.

“O impossível é uma escolha pessoal.”

Thomas Soares Energia Livre

Professor Thomas Tschoepke Soares

Thomas Soares é engenheiro, militante pela Revolução Energética, vegetariano e pesquisador sobre permacultura. Possui graduação em Eng. Metalúrgica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1992) e mestrado em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais – Departamento de Materiais (1994). Tem experiência na área de Engenharia de Materiais e Metalúrgica, com ênfase em Propriedades Físicas dos Metais e Ligas. Trabalha como consultor em Tecnologia da Informação, redes de computadores, segurança e infra-estrutura em geral. Pesquisa sobre fontes alternativas de energia.