Archive for the ‘Naturschutz’ Category

ResEx Gruender Chico Mendes - Gedanken

Friday, January 2nd, 2009

Gedanken zu Chico Mendes
Quelle: Wolfgang Manuel Simon / Poema Deutschland


Links:


Chico, die Menschen in Europa können sich kein
Bild machen von dem Ausmaß der Zerstörungen
des Regenwaldes für Rinderweiden, für Kolonisationsstraßen,
für illegale Holzhändler, für landhungrige
Rinderzüchter, für gierige Sojabarone, für Möbel
der Gärten Europas, Asiens und Nordamerikas, für
die hungrigen Münder der Fastfood-Konzerne und
für Soja für die Rinder der 1. Welt.

Oh Chico, wir essen Früchte eures Waldes und
kennen nicht den Nutzen der Baumriesen für das
Weltklima, knabbern an Weihnachten Paranüsse
und bedenken nicht, dass deren Bäume nirgendwo
mehr auf diesem Planeten anzutreffen sind als in
Amazonien. Wer weiß schon, dass all diese einzigartigen
Urwaldriesen illegal abgeholzt werden und
für immer für die Menschheit verloren sind.
Chico, neue Straßenprojekte für die Großgrundbesitzer,
Rohstoff- und Nahrungsmittelkonzerne wie
Cargill zerschneiden unberührte Urwaldgebiete,
Plantagen für Ölpalmen, riesige Maisfelder zur
Herstellung von Ethanol werden neu angelegt,
Staudammprojekte wie das Projekt „Belo Monte“
bei Altamira werden wieder aus den Schubladen
geholt. Widerstand regt sich dort an vielen Orten.
Chico, wer von uns kannte die im Februar 2005
ermordete Dorothy Stang, eine brasilianische katholische
Schwester und konnte so Anteil haben
an ihrem Leben, ihrem Kampf für die landlosen
Bauern und Landarbeiter?
Chico, wir lesen in den Zeitungen des Jahres 2008:
“Nie zuvor hatten wir zu dieser Jahreszeit solch
eine große Zerstörungsrate festgestellt”, staunte
Gilberto Camara. Er ist Leiter des für die offiziellen
Messungen zuständigen “Nationalen Instituts für
Weltraumforschungen“… „Die monatliche Zerstörungsrate
im August 2007 wuchs auf das vierfache
im Dezember 2007“. Warum? Die Großgrundbesitzer
eignen sich weiterhin gewaltsam das Land der
Indios an, laugen es mit ihren Monokulturen aus
und bewirtschaften es mit Sklavenarbeitern, die mit
nur jeder erdenklichen Willkür und Gewalt bedroht
werden. Wer die Macht hat, plündert, zerstört, missachtet
Gesetze.“ (Bischof Kräutler , Altamira im Juli
2008) Die Indigenas selber verlieren ihren Grund
und Boden und damit ihre Nahrungsgrundlage.

Chico – wo sind die Leute der Lula-Regierung, die
nicht verhindert haben, dass allein im Jahr 2007
im Zusammenhang mit Landkonflikten 92 Indios
getötet wurden?
Chico, Dorothy, Naldo, Giovanni, Maria Benedita
– wir sehen bei unseren Besuchen in euren Dörfern,
wie ernsthaft und gewissenhaft die Menschen
darüber debattieren, wo der beste Platz für die
Brunnenbohrstelle ist. Wir können erahnen, wie die
Holzständer für die Trinkwasseranlage gemeinsam
gefertigt wurden und die Leitungen zu den Häusern
in einer Gemeinschaftsaktion verlegt wurden.
Das ermutigt uns sehr in unserem Bemühen, euch
weiter bei der Schaffung menschenwürdiger Lebensbedingungen
zu unterstützen, damit viele
weitere Dörfer diese solargestützten Trinkwasseranlagen
erhalten, noch mehr Hütten mit Solarlampen
ausgestattet werden und weitere Gesundheitsposten
ausgebildet werden können.
Der Stuttgarter Friedenspreis wird uns und euch
dabei helfen.
Wolfgang Manuel Simon
Anmerkung 1: Hagen Rether, „Vater unser“ unter www.youtube.com
Anmerkung 2: Chico Mendes wurde vor 20 Jahren am 22.Dezember in seinem Haus vom Sohn eines Großgrundbesitzers ermordet. Chico organisierte als Gewerkschaftler den Widerstand der Gummizapfer gegen die Pläne der Großgrundbesitzer.

Hinweis für alle Chico Mendes VerehrerInnen:
Die Band Maná widmete 1995 Mendes das Album Cuando los Ángeles Lloran.
http://www.youtube.com/watch?v=RETZhTgaAlU &translated=1

…………………………………………………..

Anmerkung der Redaktion

Hiermit moechten wir allen DANKEN fuer ihren Einsatz fuer den Naturschutz und zum schutze von all dem was uns geschaffen hat

ResEx Presse | POEMA Projekte Amazonas

Friday, January 2nd, 2009

Presse zu ResEx Naturschutz Brasilien, Amazonas


Links:



……………………………………….

Quelle: POEMA

Presse Resex, Projekte POEMA

Aktuelles aus unseren Projektgebieten
Wasser, Solarenergie, Gesundheit

Im ResEx Reserva Extrativista (Sammlergebiet ohne Holzeinschlag) werden gerade am Rio Arapiuns in den Gemeinden Sao Jose, Arapiranga und Nova Vista Wasseranlagen gebaut. Im Januar werden wir
zusammen mit Präsident Naldo die Anlagen einweihen. 23 Anlagen wurden von Poema in den letzten Jahren dort ermöglicht. Insgesamt leben in der Region rund 20 000 Menschen in 70 Dörfern. Das
Wasserproblem ist das drängendste. Deshalb werden wir auch in den kommenden Jahren dort aktiv sein. Außerdem wird immer wieder der Wunsch an uns herangetragen, mehr Solarlampen zu bringen.

Es ist nicht damit zu rechnen, daß in den nächsten Jahren in die Region Strom kommen wird. In der Region Oeiras do Para wird in den nächsten Wochen mit dem Bau einer Wasseranlage in Melancal begonnen. Der Ort liegt in einer Region, in der in den letzten Jahren enorme Mengen Holz geschlagen wurden, und jetzt Rinderfarmen für große Probleme sorgen. Vor allem in der Regenzeit werden über das Flußwasser Krankheiten verbreitet. Bena, die im Dezember bei uns zu Gast sein wird, ist die „Antreiberin“ und arbeitet mit den Dorfbewohnern und Poema zusammen. In den zwei Gebieten der nachhaltigen Entwicklung in der Region Anapu ist eines der vielen Probleme die Energiefrage. 400 Häuser stehen in dem Gebiet vereinzelt im Regenwald und ohne Aussicht auf Energie. Taschenlampen und Ölfunzeln sind oft die einzigen Lichtquellen. Unser Ziel ist es, u.a. auch durch eine Aktion bei der Friedensgala im Dezember, 400 Solarlampen nach Anapu zu bringen, eine für jedes Haus. Die Menschen sehnen sich danach. In den letzten Jahren haben wir in den Gebieten ein Versammlungshaus finanziert sowie Werkzeuge, ein Motorrad und mehrere Solaranlagen. Giovanny wird im Dezember darüber berichten. Er wird auch über Schwester Dorothy Stang sprechen, die bis zu ihrer Ermordung mit ihnen zusammengearbeitet hat.


Im Reserva Indigena -Waiapi in Amapa finanzieren wir nach wie vor Gesundheitskurse für junge Indigenas. Der gesamte Kurs dauert 4 Jahre, in jedem Jahr finden jeweils zwei 14 Tage dauernde Kursetappen statt. 20 angehende Krankenpfleger von den verschiedenen Dörfern nehmen daran teil. Ziel der Indigenas ist es, die Gesundheitsversorgung so weit wie möglich in die eigenen Hände zu nehmen. Die Hoffnung auf staatliche Hilfe haben sie fast aufgegebe


Im August 2008 besuchten POEMA-Mitglieder einige Dörfern am Rio Tapajos und am Rio Arapiuns im Bundesstaat Para/Brasilien. In Anlehnung an das „Vater Unser“ des Kabarettisten Hagen Rether möchte ich meine Gedanken dem vor 20 Jahren ermordeten Chico Mendes widmen:


Quelle: http://www.poema-deutschland.de/aktuell/rundbrief10.pdf

Literaturverzeichniss Naturschutz Brasilien

Sunday, December 21st, 2008

Literaturverzeichniss fuer ResEx, Mata Atlantica und Naturschutz Brasilien



Links:


Abbott, J. & Guijt, I. 1998. Changing Views on Change: Participatory Approaches to Monitoring the Environment.
Abers, Rebecca, Brent Millikan, Marisa von Bülow & Paul Little. 2000. Civil socIety Participation in the Pilot
Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Preliminary draft version (September 9, 2000). Study
commissioned by the World Bank.
ACRE, Governo Estadual. 1998. Projeto de Ação Ambiental Integrada (Açaí) - PGAI/AC. Maio 1998. Rio Branco-AC.
ACRE, Governo Estadual. 1999. PGAI/AC. Marco Zero: Documento Referencial para o Acompanhamento e Avaliação. Julho 1999. Rio Branco-AC.
ACRE, Governo Estadual. 2000. Subsídios para Avaliação e Replanejamento do SPRN, e Revisão do Plano
Estadual Ambiental (PEA). Instituto de Meio Ambiente. Janeiro 2000. Rio Branco-AC
ACRE, Governo Estadual. Relatório de Progresso SPRN Janeiro 1998 a Junho 1999. Rio Branco-AC
ACRE, Governo Estadual. Relatório de Progresso SPRN Julho 1999 a Dezembro 1999. Rio Branco-AC
Davis, S. & Ebbe, K. (eds.). 1993. Traditional Knowledge and Sustainable Development: Proceedings of a
Conference Held at the World Bank, Washington D.C., September 27-28, 1993. Environmentally
Sustainable Development proceedings Seies No. 4
Diewald, C. 2000. Statement in the Third National MTR Workshop. Brasilia, August, 2000
FAO/World Bank. 1999. An Evaluation of Six Demonstration Projects
Gasper, D. 2000. Evaluating the ‘Logical Framework Approach’ Towards Learning-Oriented Development
Evaluation. Public Admin. Dev. 20. 17-28
Gosling, L. & Edwards, Medium. 1995. Toolkits - High Practical Guide to Assessment, Monitoring, Review
and Evaluation. Save the Children Fund, London
GTZ. 2000. 3ª Rodada de Aperfeiçoamento de Planejamento dos Projetos de Gestão Ambiental Integrada nos Estados do Acre, Amazonas e Pará: Subprograma de Política de Recursos Naturais, PPG7. Fevereiro
2000. Brasilia-DF
IDB, UNDP & ACT (undated). Amazon without myths. Commission on Development and Environment for
Amazonia. Inter-American Development Bank (IDB), United Nations Development Programme
(UNDP), and Amazon Cooperation Treaty (ACT).
INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. 1999. Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por
Satélite 1998-1999
International Advisory Group (IAG). 1999. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Twelfth
Meeting, 5-16 July. Brazil
International Advisory Group (IAG). 2000. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Fourteenth
Meeting, 10-21 July. Brasilia
International Forestry Advisers Group (IFAG). 1999. Report of the IFAG Workshop on Sector Support to
National Forest Programs. 25-28 August. Inari
Lele, Uma, Virgilio M. Viana, Adalberto Verissimo, Stephen Vosti, Karin Perkins & Syed Arif Husain. 2000.
Forests in the Balance: Challenges of Conservation with Development - An Evaluation of Brazil’s Forest
Development and World Bank Assistance. Operations Evaluation Department.
Ministério do Meio Ambiente (MMA). 1999. Mata Atlântica no PPG7. Proposta Subprograma para a Mata
Atlântica. Arquivos World Bank, Brasília
Ministério do Meio Ambiente (MMA). 2000. Documento básico para a elaboração do Programa Nacional de
Florestas - PNF SBF/DIFLOR. Versão 1.0, 10 de Maio 2000
Ministério do Meio Ambiente (MMA)/SCA. 1998. Ofício Número 41/MMA/SCA/PPG7. Análise
Administrativa da Gestão Orçamentária, Financeira e Patrimonial do SPRN. 27 Outubro 1998. Brasilia- DF
Ministério do Meio Ambiente (MMA)/SCA. 1999a. Experiências e Resultados dos Projetos em Execução do
Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil - PPG7. Brasília
Ministério do Meio Ambiente (MMA)/SCA. 1999b. Proposta de reformulacao do Programa Piloto para
protecão das florestas tropicais do Brasil. 25 de octubro de 1999
Ministério do Meio Ambiente (MMA)/SCA. Diversos autores. 2000. Revisão de Meio-termo do Subprograma
de Política de Recursos Naturais - SPRN, Projeto PNUD - BRA/95/026. Abril 2000. Brasilia-DF
Ministério do Meio Ambiente (MMA) & World Bank. 1999. Programa Piloto Para Proteção das Florestas
Tropicais do Brasil, Brochura, Brasilia-DF. Outubro 1999. Washington-DC
Ministry of Environment/Secretariat for Amazon Coordination & World Bank/Latin American and Caribbean Region. 2000. Annual Progress Report 1999-2000. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. August 4, 2000
Mittermeier, Russel et al. 1997. Earth’s Biologically Wealthiest Nations. First English Edition. Mexico, CEMEX
Moore, Mick, Jeremy Gould, Anuradha Joshi & Riitta Oksanen. 1996. Ownership in the Finnish Aid Programme -
Evaluation Report. Ministry of Foreign Affairs of Finland
Moura Costa, P., J. Salmi, M. Simula & C. Wilson. 1999. Financial Mechanisms for Sustainable Forestry.
Working Draft. UNDP Program on Forests.
Nami Hongo, E. 1999. The Trend and Issues. Building Up a Database and Analyzing the Internationally
Funded Environmental Projects in the Brazilian Legal Amazon. WB Brasília. August 1999
Nepstad, Daniel C, Adriana G. Moreira & Ane A. Alencar. 1999. Flames in the Rain Forest: Origins, Impacts
and Alternatives to Amazonian Fires. The Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest.
ODI. 2000. Social Development Issues in Sector Wide Approaches. Overseas Development Institute.
Oksanen, R. 2000. Sector-wide Approaches as a Framework for Development Partnerships. International
Forestry Review. Vol. 2 (3). September 2000
Overseas Development Administration. 1995. Guidance Note on How to Do Stakeholder Analysis of Aid
Projects and Programmes. Social Development Department.
Pilot Program Annual Progress Report 1999-2000.
Políticas Públicas para a Amazônia. 1998.
Rain Forest Trust Fund. 1992.
Resex Project. Final conclusions. First phase 1995-1999
Review of Institutional Arrangements. 1999. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Final Report, July 1999
Schneider, R. 1994. Government and the Economy on the Amazon Frontier. LAC Technical Department.
Regional Studies Program. Report No. 34. World Bank. Washington, DC
Schneider, R. et al. 2000. Sustainable Forestry and the Changing Economics of Land: The Implications for
Public Policy in the Legal Amazon
Schuerholz, G. 2000. Mid-Term Review - Sector Mata Atlantica, MTR Working Papers, June 2000
Smith, Nigel, Jean Dubois, Dean Current, Ernst Lutz & Charles Clement. 1998. Agroforestry Experiences in
the Brazilian Amazon: Constraints and Opportunities. The Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest.
Transition to Phase Two. 1997. Discussion Paper for Donors’ Meeting in Paris. April 15-16, 1997
UNCED Forest Principles. 1992
WHRC & IPAM. 1997. Fire Use in the Amazon: Case Studies in the Deforestation Arch
Wilson, Edward O. 1992. The Diversity of Life. Penguin Books, London
Workshop on Participation of Traditionally Excluded Groups: Conclusions. 2000. Pilot Program for
Protection of Tropical Forests in Brazil, Brasilia, 30 August 2000
World Bank. 1994. Science Centers and Directed Research Project - Phase I, Memorandum and
Recommendation of the Director of the Latin American and the Caribbean Department I to the Regional
Vice President on a proposed grant from the Rain Forest Trust Fund in amount equivalent to USD 8.5
million to the Federative Republic of Brazil. Report No. 12450-BR
World Bank. 1995. CEC Grant Agreement Number TF 026653. Natural Resources Policy Project.
13 Novembro 1995. Washington-DC
World Bank. 1996. Avaliação de Meio Termo, Projeto de Desenvolvimento Agroambiental de Mato Grosso -
PRODEAGRO. Outubro 1996. Brasilia-DF
World Bank. 1999. A Strategy for Learning Lessons about the Pilot Program, Version 3.3. June 30, 1999.
World Bank. 2000a. Brazil Environmental Strategy. Discussion Draft.
World Bank. 2000b. Efficiency in Program Coordination. June 2000
BIBLIOGRAFIA
3ª Rodada de Aperfeiçoamento de Planejamento dos Projetos de Gestão Ambiental Integrada nos Estados do
Acre, Amazonas e Pará. 2000. Subprograma de Política e Recursos Naturais, PPG7. Deutsche
Gesellschaft für Technische Zusammena. Brasília, DF. 21 a 23 Março, 2000
ACRE. Floresta Estadual do Antimari. Plano de Manejo de Uso Múltiplo. Brasil
AFBR. 1995-1999. Cadernos 1-13.Publicação do Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata
Atlântica. Arquivos AFBR, São Paulo
Agência Brasileira de Cooperação. Projetos no Âmbito do PPG7. Acompanhamento de Projetos - Ficha
Completa dos Seguintes Projetos: RFA/MAB/96A/006, UK/MAB/ 098/ 009, UK/MAB/096/001,
UK/MAB/095/001, UK/MAB/094/001, RFA/MAB/ 98A/004. Relatórios de Acompanhamento.
Ainscow, Robert et al. 1999. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Review of Institutional
Arrangements. Archives World Bank, Brasília
Ajuda Memória. 2000. Projetos Demonstrativos dos Povos Indígenas. PDPI, Missão de Avaliação (21-
25.2.2000). PPG-7, Subprograma de Projetos Demonstrativos
Alves, Demostenes A. 2000. Relatório de Monitoria, PD/A projeto número 223, Sul da Bahia. Arquivos
MMA, SCA Brasília, Projetos Demonstrativos
AMA. 1999. The Trend and Issues. Building Up a Database and Analyzing the Internationally. Funded
Environmental Projects in the Brazilian Legal Amazon - Elizabeth Nami Hongo. 17 Junho, 1999 a 16 Agosto, 1999
AMA/PPG7. 2000. Aspectos e Indicadores Utilizados pelos Subprogramas e Projetos do PPG7. April 2000.
AMA/PPG7. 2000. Projeto de Apoio ao Monitoramento e Análise: Plano Operacional Anual -1 Ano. March 2000.
AMA/PPG7. 2000. Proposta de Indicadores do Projeto AMA para Monitoramento do Programa Piloto. May 2000.
AMA/PPG7. 2000. Relatório do Estado Atual do Projeto Apoio ao Monitoramento e Análise. April 2000.
AMA/PPG7. 2000. Revisão do Projeto de Apoio ao Monitoramento e Análise. March 2000
Anonymous. 1997. A New Concept for the Pilot Program’s Science Centers Project. Draft. 3 p. + various
comments on the draft
APREMA. 1999. Manejo de Enriquecimento de Florestas Secundárias. Alto Vale do Itajaí, SC. 17 Dezembro, 1999
Associação dos Trabalhadores Rurais. 2000. Subprojeto Reviver. Vale do Corda, Município de Wanderlândia,
TO. Relatório. 12 Abril, 2000
Barbosa, Reinaldo Imbrozio, Efrem Jorge Gondim Ferreira and Eloy Guillermo Castellón (eds.). 1997.
Homem, Ambiente e Ecologia no Estado de Roraima. INPA
BASA/CNPT IBAMA/MMA/PNUD. PRODEX - Programa de Desenvolvimento do Extrati-vismo. Uma
Linha de Crédito para a Sustentabilidade da Amazônia. Folder
Buchillet, Dominique. 1998. Levantamento e Avaliação de Projetos de Saúde em Áreas Indígenas da
Amazônia Legal. Suporte a Projetos de Saúde Culturalmente Sensíveis. ORSTOM/ISA
Bundesministerium fuer Wirtschaftliche Zusammenarbeit und Entwicklung. 1997. Donor Meeting in Paris.
The Brazil Rain Forest Pilot Program, Transition to Phase Two. Discussion paper. Archives BMZ.
Bundesministerium fuer Wirtschaftliche Zusammenarbeit und Entwicklung. 1998. Referat 223. Das Internationale Pilotprogramm zur Bewahrung der Tropischen Regenwaelder in Brasilien (PPG7). Archives BMZ
Bursttyn, Marcel (org). 1993. Para Pensar o Desenvolvimento Sustentável. São Paulo Ed. Brasiliense
Câmara dos Deputados. Estatuto do Índio e das Comunidades Indígenas. Projeto de Lei nº2.057/91
Carvalho, A. S. Síntese dos Resultados Alcançados pelo ZEE - Zoneamento Ecológico Econômico do Estado do Amazonas. Relatório Síntese.
Carvalho, José Carlos, 1993. Reorganização do Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais
CEMAT. 1996. Coletânea de Regimento Interno de Conselhos de Meio Ambiente. Roraima
CEPAGRO/ PNFC. 1998. Animação dos Processos de Desenvolvimento Local. Brasília, DF
Clay, Jason W., Paulo de T. B. Sampaio and Charles R. Clement. 2000. Biodiversidade Amazônica; Exemplos
e Estratégias de Utilização. INPA
CNPT/ BANCO DA AMAZONIA/ IBAMA/ PNUD. PRODEX - Programa de Desenvolvi-mento do Extrativismo.
CNPT/BANCO DA AMAZONIA/IBAMA/PRONAF. PRODEX - Uma Linha de Crédito para Produtores Extrativistas
CNPT/IBAMA/MMA. 1995. Plano de Utilização da Reserva Extrativista Chico Mendes - Acre.
CNPT/IBAMA/MMA. 1996. Plano de Utilização da Reserva Extrativista do Rio Ouro Preto - Rondônia. 1996
Conselho Nacional dos Seringueiros. 1999. (FAX ao Banco Mundial S/N - Registro ESSD IL 1438/99)
Conservation International (CI). 1997. The Economics of Biodiversity Conservation in the Brazilian Atlantic Forest. CI- HQ, Washington D.C
Cooperativa de Produtores Rurais de Apiau. Consorciação de Urucum com Espécies Madeireiras de Valor
Comercial e Apicultura. Pareceres. Mucajaí, RR
Correio Brasiliense. 2000. Projeto Modelo Ficam sem Verbas. Beneficiamento da Castanha na Reserva Chico Mendes: Próximo do Fracasso por Conta de Briga entre Bird e União Européia. Reportagem no Correio Brasiliense, 24.05.2000
Costa, Francisco de Assis, Guilardo Lobo and Luciana Miranda Costa. 1998. Plano de Ação de Capacitação
Técnica, Gerencial e Empresarial para as Entidades Apoiadas pelo PD/A na Região de Marabá. MMA/SCA/PPG-7
CTA. 1999. Relatório. Manejo Florestal Comunitário de Uso Múltiplo.
CTI. 1999. Terra Indígena Waiãpi: Alternativas para o Desenvolvimento Sustentável. Programa Waiãpi -
Centro de Trabalho Indigenista
Debate sobre Políticas Públicas para Amazônia na Imprensa Brasileira. 1999/2000. Volume VII. Amigos da
Terra - Jornal Pessoal. Novembro, 1999/Janeiro, 2000
Drummond, J.A. and F. Negret. 2000. Proposta de Indicadores para Monitorar e Analisar o PPG7 com Base
nos Objetivos. A paper presented in Pirenópolis Meeting, March 2000
EMBRATUR/ MAA/ PRONAF/ PMNT. 1999. Oficina de Sensibilização de Comunidade. 1ª Fase. Maloca da
Raposa - Normandia, RR. 21 a 23 Fevereiro, 1999
EMBRATUR/ MAA/ PRONAF/ PMNT. 1999. Oficina de Sensibilização de Comunidade. 1ª Fase. Maloca da
Raposa - Normandia, RR. 24 a 26 Fevereiro, 1999
Environmental Defense Fund. 1999. (FAX ao Banco Mundial - Presidência, Washington D.C.) “O PPG7 e as
Florestas Brasileiras: O Fim da Ilusão e a Hora da Verdade”, Washington D.C. 19 Abril 1999
European Commission. 1999. Guidelines for Drawing Up Terms of Reference for Evaluations & Evaluation
Methodology, Criteria and Suggested Layout for Evaluation Reports. SCR/F/5 D(98). Brussels
European Commission. Serviço Comum de Gestão da Ajuda Comunitária aos Países Terceiros. SCR
FCO/FNE/FNO. Sistemas de Informações Gerenciais
FCO/FNE/FNO/MIS. Legislação. Fundos Constitucionais de Financiamento do Norte, Nordeste e do Centro-
Oeste e Ministério da Integração Social
Field, Barry C. 1994. Environmental Economics: An Introduction. Singapore, McGraw-Hill International Editions
Figueroa, E., D. Kline, I. Montalvo, S. Ardila, S. Yanawaga, D. Tither, E. Chavez. 1993. Brazil: Guaíba
Watershed Environmental Management Program. First Stage. Loan Proposal BR-0073. IADB
Freire, Joaquim Carlos. 1997. Análise Orçamentária. Financeira do Subprograma Ciência e Tecnologia.
Relatório ao Banco Mundial
FUNAI. 1998. Avaliação de Meio Termo. Oficina de Trabalho BsB 13/15 de Outubro de 1998.
FUNAI. 1998. Avaliação de Meio Termo. Texto Complementar - São Paulo, 01/12/1998.
FUNAI. 1998. Avaliação de Meio Termo. Texto Preliminar - São Paulo, 05/10/1998.
FUNAI. 1999. Avaliação de Meio Termo. BsB Janeiro de 1999.
FUNAI. 1999. Plano Operativo Anual BsB.
FUNAI. 2000. Planejamento Operativo Anual - PPTAL.
FUNAI. 2000. Plano Operativo Anual BsB. Março de 2000.
FUNAI. 2000. Relatório Geral - diretoria de Assuntos Fundiários. Departamento de Identifi-cação e Delimitação.
FUNAI/GTZ. 2000. Planejamento para o Ano 2000 do Projeto Integrado de Proteção às Populações e Terras
Indígenas da Amazônia Legal - PPTAL, BsB Janeiro de 2000
FUNAI/PPTAL/GTZ. 1999. Demarcando Terras Indígenas. Experiências e Desafios de um Projeto de
Parceria. Projeto Integrado de Proteção às Populações e Terras Indígenas da Amazônia Legal. Brasília
Funai-Kasburg, Carola & Márcia Maria Gramkow (org). 1999. Demarcando Terras Indígenas. Experiências e
Desafios de um Projeto de Parceria
Fundação Biodiversitas, editora: Drumond, Maria Auxiliadora. 1997. Oficina sobre Gestão Participativa em
Unidades de Conservação. Arquivos GTZ
Fundação SOS Mata Atlântica. 1993. Evolução dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio de Mata Atlântica no Período 1985 - 1990-Relatório. Arquivos GTZ
Fundacion Maquipucunu. 2000. Ecuador: Choco-Andean Corridor. GEF Funding Proposal. Archives GEF, Washington D.C
GAMBA. 1996. Ofício OFG 140/96 enviado Secretaria Técnica PD/A, Salvador 11 Novembro 1996
Gosling, L. and Edwards, M. 1995. Toolkits - A Practical Guide to Assessment, Monitoring, Review and
Evaluation. Save the Children Fund. London
Governo do Estado de Roraima. 1997. Projeto de Gestão Ambiental Integrada. Novembro, 1997
Governo do Estado de Roraima/Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento. 1999. Projeto de
Mecanização em Áreas Degradadas do Estado de Roraima
Governo do Estado de Roraima/Secretaria de Estado de Planejamento, Indústria e Comércio. 1997. Plano
Estadual Ambiental
Governo do Estado de Roraima/Secretaria do Planejamento Indústria e Comércio. 1997. Código de Proteção ao Meio Ambiente do Estado de Roraima
Governo Do Estado do Amapá/ Secretaria de Estado do Meio Ambiente. 1999. Projeto de Avaliação e
Aperfeiçoamento da Estrutura Organizacional da SEMA. 27 Julho, 1999
Governo Do Estado do Amapá/Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia. PEGA -
Programa Estadual de Gestão Ambiental
Governo do Estado do Amapá/Secretaria de Estado do Meio Ambiente. 1999. Código Ambiental do Estado do Amapá
GTA & RMA. 1999. “Reformulated Pilot Program”. Artigo. Brasília, DF, Setembro 1999
GTA. 1996. (OF/GTA/N° 28/96). Brasília, DF, 23 Julho 1996.
GTA. 1996. (OF/GTA/N° 38/96). Brasília, DF, 16 Agosto 1996.
GTA. 1996. Proposta do Projeto de “Participação da Sociedade Civil no PPG7”. Brasília, DF, Abril 1996.
GTA. 1997. “GTA 1998 - 2000”. Artigo. Brasília, DF, Dezembro 1997.
GTA. 1997. Carta aos Participantes da Reunião de Revisão do PRODOC do Projeto BRA/96/012. Brasília,
GTA. 1997. Políticas Públicas para a Amazônia, Rumos, Tendências e Propostas. Brasília,DF, Outubro
GTA. 1997. Public Policies for the Brazilian Amazon, 97/98 Paths, Trends and Proposals. Grupo de Trabalho
Amazônico (GTA) and Friends of the Earth, Amigos da Terra, Programa Amazônia.
GTA. 1997. Relatório de Avaliação do PPG7. Brasília, DF, Outubro 1997.
GTA. 1998. Documento Proposta do Projeto de “Mobilização e Capacitação em Prevenção e Combate a Incêndios Florestais na Amazônia. Envolvimento das Organizações dos Trabalhadores Rurais da Amazônia Legal - PROTEGER”. .
GTA. 1998. Documento Proposta do Projeto. Brasília, Abril 1998.
GTA. 1998. Revisão Substantiva do Projeto de “Participação da Sociedade Civil no PPG7”. Brasília, DF,
GTA. 1999. Carta ao Banco Mundial, Convite Audiência Pública Comissão da Amazônia, Câmara dos Deputados. Brasília, DF, 11 Maio 1999.
GTA. 1999. Documento Proposta do Projeto “Sócio Ambiental de Mobilização e Capacitação da Sociedade
Civil em Proteção a Queimadas e Incêndios Florestais na Amazônia: Envolvimento dos Agricultores,
Extrativistas, Familiares e Povos Indígenas - PROTEGER II”. Brasília, DF, Dezembro 1999.
GTA. 1999. Estatuto. Brasília, DF, 11 Fevereiro 1999.
GTA. 1999. PROTEGER, Relatório da Conferência dos Povos da Amazônia: Queimadas, Meio Ambiente e
Desenvolvimento Sustentável. Belém, PA, 15 a 18 Junho 1999.
GTA. 1999. PROTEGER. Relatório Síntese. Brasília - DF, Novembro 1999.
GTA. 1999. Relatório Final de Projeto, Brasília, Novembro 1999.
GTA. 2000. (OF/GTA 010/02/2000 ao Banco Mundial). Brasília, DF, 28 Fevereiro 2000.
GTA. 2000. Documento Proposta do Projeto Sócio Ambiental de Mobilização e Capacitação da Sociedade
Civil em Proteção a Queimadas e Incêndios Florestais na Amazônia: PROTEGER II. Brasília, Março 2000.
GTA. 2000. Relatório de Atividades do Projeto BRA/96/012A. Brasília, DF, Março 2000.
GTA. 2000. Relatório Institucional da Rede GTA no Período de 1 Julho 1996 a 31 Dezembro 1999. Brasília
GTA. A Amazônia no Século XXI. Brochura. Brasília - DF, sem data
GTZ. 1993. Angebot/Arbeitsvorschlag uber die Durchfuehrung des Vorhabnes “Schutz und Management
Natuerlicher Ressourcen in der Mata Atlântica, Minas Gerais (IEF). Archives GTZ.
GTZ. 1993. Gutachterbericht zum Projekt “Schutz und Management Natuerlicher Ressourcen in der Mata
Atlântica, Minas Gerais. PN 87.2080.7-03.133. Archives GTZ.
GTZ. 1995-1999. Projektfortschrittsberichte uber das Projekt: “Schutz und Management Natuerlicher
Ressourcen in der Mata Atlântica, Minas Gerais (SEMAD)”. Berichts-nummern: 2/96 (1995-1996), 2
(1996-1997), 3 (1997-1998), 4 ( 1998-1999). Archives GTZ.
GTZ. 1996. Germany: Dienstreisevermerke, Fortschrittsberichte, GTZ interne Projektberichte (1/96),
Projektplanungsuebersicht (4/96), Correspondence with BMZ, Aktennotizen and
Pruefungsberichte.Archives, BMZ.
GTZ. 1998. Bericht ueber die Projektplanungsfortschreibung zum Projekt “Schutz und Management
Natuerlicher Ressourcen in der Mata Atlântica, Minas Gerais (IEF)”. Archives GTZ.
GTZ. 2000. Projeto “Doces Mata”. Memória, IV Encontro de Trabalho sobre Ecoturismo. Arquivos GTZ
Haddad, Paulo R. et al. 1999. A Competitividade do Agronegócio e o Desenvolvimento Regional no Brasil.
Estudos de Clusters. Brasília: CNPq - Embrapa. Brasília DF
Huber, R. M., R. S. Motta, and J. Ruitenbeek. Instumentos de Mercado para la Política Ambiental en América
Latina y el Caribe. Leciones de Once Países. Temas de Debate: Investigationes en Curso
IADB. 1990. Nuestra Propia Agenda. Comision de Desarrollo y Medio Ambiente de America Latina y el
Caribe. Programa de Naciones Unidas para el Desarrollo
IADB. 1997. Road Rehabilitation Program for the State of Ceará, Brazil. Project Performance Review. PPR-
20-97. Loan 587/OC-BR, 833/SF-BR. Evaluation Office, EVO. Washington, D.C
IBAMA, MMA & CNPT. 1999. Projeto Resex: Um Futuro Sustentável para a Amazônia. Brasília.
IBAMA. 1992. Projeto de Lei n 2.892, DE. Regulamenta o art .225 parágrafo 1, incisos I, II, III e VII da
Constituição Federal, Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conserva-ção da Natureza e dá Outras Providências.
IBAMA. 1998. Avaliação Ecológica na Reserva Extrativista do Rio Cajari. Julho, 90 p.
IBAMA. 1998. Plano de Utilização da Reserva Extrativista do Médio Juruá - Carauarí/AM. 24 p.
IBAMA. 1998. Projeto Parques e Reservas: Corredores Ecológicos. Arquivos IBAMA, Brasília.
IBAMA. 1998. Projeto Várzea. Documento de Avaliação. 07 Março 1998. 69 p.
IBAMA. 1999. Cartilha do Fiscal Colaborador - Reserva Extrativista do Alto Juruá. 14 p.
IBAMA. 1999. Plano de Trabalho - Projeto Resex. 11p.
IBAMA. 1999. Principais Produtos Extrativos da Amazônia e seus Coeficientes Técnicos
IBAMA/CNPT. Reserva Extrativista Chico Mendes. Folder.
IBAMA/CNPT. Reserva Extrativista do Alto do Juruá. Folder.
IBAMA/CNPT. Reserva Extrativista do Médio Juruá. Folder.
IBAMA/CNPT. Reserva Extrativista do Rio Ouro Preto - RO. Folder.
IBAMA/CNPT. Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo - RJ. Folder.
IBAMA/CNPT. Reserva Extrativista Rio Cajari. Folder.
IBAMA/CNPT. Reserva Extrativista Tapajós - Arapiuns. Folder.
IBAMA/MMA. Workshop Internacional sobre Monitoramento da Biodiversidade em Unidades de Conservação Federais.
IBAMA/MMA/CNPT. Uma Agenda Humana para a Conservação Ambiental. Folder.
IBAMA/MMA/CNPT/CNS/UNDP. Uma Nova Fase para a Borracha Nativa. Projeto Piloto de Manejo Sustentável do Extrativismo da Borracha na Amazônia. BRA 05/029
IEF-MG, IBAMA, F. Biodiversitas, GTZ. 1993. Seminário de Planejamento. Proteção Ambiental da Mata
Atlântica do Estado de Minas Gerais. Proposta de um Programa de Cooperação Técnica
Indufor. 2000. Draft Code of Practice for Forest Sector Development Cooperation of the European
Commission and the EU Member States. Background Paper
INESC. 1995-1998. Políticas Públicas Sociais, Um Olhar sobre o Orçamento da União. Paulo Eduardo Rocha. Relatório
Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas/Governo do Estado do Amazonas/PGAI/PPG7. 1999. Sistemas de Informações Ambientais (SIAM). Proposta Técnica. Relatório. Dezembro, 1999
Internacional Bank. 1995. Rain Forest Trust Grant Agreement (Indigenous Lands Project). Internacional Bank
for Reconstruction and Development. 6 Julho, 1995
International Advisory Group (IAG). 1994. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest.
Third Meeting, 29 August-2 September. Brasília
International Advisory Group (IAG). 1996. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest.
Fifth Meeting, 4-8 March. Brasília.
International Advisory Group (IAG). 1996. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest.
Sixth Meeting, 1-12 July. Brazil.
International Advisory Group (IAG). 1996. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest.
Seventh Meeting, 2-6 December. Brasília.
International Advisory Group (IAG). 1997. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest.
Eight Meeting, 7-18 July. Brazil.
International Advisory Group (IAG). 1998. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest.
Ninth Meeting, 23-27 March. Brasília.
International Advisory Group (IAG). 1998. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest.
Tenth Meeting, 13-24 July. Brazil.
International Advisory Group (IAG). 1998. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest.
Eleventh Meeting, 7-11 December. Brasília.
International Advisory Group (IAG). 1999. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest.
Thirteenth Meeting, 29 November-3 December. Brasília
International Forestry Advisers Group (IFAG). 1999. Report of the IFAG Workshop on Sector Support to
National Forest Programs. 25-28 August. Inari
IPAAM. 2000. Legislação Ambiental do Estado do Amazonas - Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas
ISA. 1999. Relatório de Atividades 1999 e Plano Trienal 1999-2001. Arquivos ISA, São Paulo
Júnior, A. V. and H. de Souza. 1999. PROTEGER: Projeto de Mobilização e Capacitação em Prevenção e
Combate a Incêndios Florestais na Amazônia. Envolvi-mento das Organizações dos Trabalhadores
Rurais da Amazônia Legal, Relatório de Avaliação e Recomendações, Versão Rascunho. Brasília DF, 8 Outubro 1999
Kanitz, S. 1996. Brazil - The Emerging Economic Boom 1995-2005
Kerr, L., R. Clement, C. Clement and W. E. Kerr. 1997. Cozinhando com a Pupunha. INPA
KfW. 1990. Schutz des Tropischen Regenwaldes im Staat São Paulo. Project Justification Report.
KfW. 1996. Schutz des Atlantischen Kuestenwaldes im Staat Paraná. Project Justification Report.
KfW. 1998. Schutz des Atlantischen Kuestenwaldes in Minas Gerais. Project Justification Report.
KfW. 1999. Das Tropenwaldschutzprogramm in Brasilien: PP/G7. Promotional Brochure.
KfW. 1999. Fortschrittskontrolle, Finanzielle Zusammenarbeit mit Brasilien. KfW Archives.
KfW. 2000. Schutz des Atlantischen Kuestenwaldes (Mata Atlântica) in Rio de Janeiro. Archives KfW, Brasília
Kohlhepp G. 1998. Das Internationale Pilotprogramm zum Schutz der Tropischen Regenwaelder Brasiliens.
Tuebinger geographische Studien, Heft
Landell-Mills, N. 1999. Country Profile for Brazil. IIED
Little, Paul E. 1998. Rumo ao PD/I: Análise Comparativa e Prospectiva dos Subprojetos Indígenas do PD/A.
Relatório Final ao Banco Mundial
Lourdes Davies de Freitas de, M. 1998. Amazônia: Heaven of a New World. Rio de Janeiro
Lutz. E. & Caldecott, Julian. Descentralization and Biodiversity Conservation. A World Bank Symposium. Washintong, D.C
MAA/PNFC. Associação dos Produtores Rurais. Série: Como Criar e Administrar Associações de Produtores Rurais. Volume 1, Planejamento e Organização. Manual Orientativo.
MAA/PNFC. Associação dos Produtores Rurais. Série: Como Criar e Administrar Associações de Produtores Rurais. Volume 2, Planejamento e Organização. Manual Orientativo.
MAA/PNFC/PNUD. Técnicas para Organizar e Animar Reuniões. Série Associação dos Produtores Rurais.
Volume 3. Relatório
Manual de Contabilidade, Relatórios Financeiros e Auditoria. 1995
Mattes, Arno. 1998. Partizipation der Bevoelkerung am Management von zwei ausgewaehlten Schutzgebieten
in “Minas Gerais”, Brasilien. Diplomarbeit, Universitaet Freiburg. Archives GTZ
Menezes Fonseca de, Ozório José and Efrem Jorge Gondim Ferreira. 1998. Guia de Referência dos
Pesquisadores do INPA. Série Documentos No. 2. Ministério da Ciência e Tecnologia. Manaus
Menezes, Mario A. 1998. Projetos Demonstrativos Regionais - PD/B. Proposta-Estudo de Estruturação dos Projetos (Versão preliminar). MMA/SCA/PPG-7
Minas Gerais. 1991. Lei Florestal de Minas Gerais, 1991. Lei 10.561 de 27 de Dezembro de 1991. Decreto de Regulamentação. Arquivos GTZ
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1995. Edital 01/95. Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil, Subprograma de C&T-PP/G7, Projeto de Pesquisa Dirigida
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1997a. Bulletin No. 4 (September/October 1997), Year I of the
Science and Technology Subprogram of the Pilot Program for Protection of Brazilian Rainforest
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1997b. Relatório de avaliação do subprograma de C&T pelo
Grupo Internacional de Assessoramento Científico - GIAC (Emanuel Adilson de Souza Serrão,
Christine Padoch, Fernando Galembeck, and Augusto Cécar Franco). Julho 1997
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1998. Form 590: Implementation summary: Science Centers and
Directed Research Projects - Phase I and Emergency Assistance
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1998a. Report 1998. Subprogram of Science and Technology PPG-7
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1998b. Bulletin No. 8 (October 1998, Special Edition), Year II of
the Science and Technology Subprogram of the Pilot Program for Protection of Brazilian Rainforest
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1998c. Bulletin No. 7 (July / September 1998), Year II of the
Science and Technology Subprogram of the Pilot Program for Protection of Brazilian Rainforest
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1998d. Consolidação dos Resultados do Seminário de Integração dos Projetos de Pesquisa Dirigida, Dezembro 1998. Subprograma de Ciência e Tecnologia PPG7
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1998e. Seminário de Integração dos Projetos de Pesquisa
Dirigida. Subprograma de Ciência e Tecnologia PPG7
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1998f. Relatório 1997 de Subprograma de Ciência e Tecnologia
PPG7. SEDEC - Secretaria de Desenvolvimento Científico. Brasília
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1999. Programa Piloto Para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil. PPG-7 C&T. Brasília, Dez/99
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1999a. Resultados (Fase emergencial e Fase 1). Subprograma de Ciência e Tecnologia PPG-7 C&T. Brasília
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1999b. Bulletin No. 10 (December 1999), Year III of the Science
and Technology Subprogram of the Pilot Program for Protection of Brazilian Rainforest
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1999c. Bulletin No. 9 (October 1999), Year III of the Science and
Technology Subprogram of the Pilot Program for Protection of Brazilian Rainforest
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1999d. Consolidação, Conclusões e Propostas do Seminário de
Apresentação de Resultados, Manaus Dezembro 1999. Subprograma de Ciência e Tecnologia PPG7
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1999e. Avaliação do subprograma de C&T pelo Grupo Internacional de Assessoramento Científico - GIAC (Emanuel Adilson de Souza Serrão, Christine Padoch, Fernando Galembeck, Augusto Cécar Franco, and Scott Morrow Lindbergh). Relatório de segunda missão, Novembro 1999
Ministério da Fazenda/Secretaria Federal de Controle. 1998. Relatório de Auditoria - Acordo de Subvenção nº 21.953 e Contrato de Contribuição nº 9.465 Exercício de 1998  e 1999. Relatório de Auditoria, BsB 15/07/1999.
Ministério da Justiça. 1996. Portaria nº 14-09/01/96
Ministério da Justiça. Projeto Integrado de Proteção às Populações e Terras Indígenas da Amazônia Legal. PPTAL
Ministério do Meio Ambiente (MMA). 1995. Proposta de Plano de Monitoramento Ambiental do Projeto
Reservas Extrativistas Indicadores para Monitoramento Social e Ambiental - Projeto Reservas Extrativistas
Ministério do Meio Ambiente (MMA). 1998. Proposta e Plano de Desenvolvimento da Reserva Extrativista
do Rio Cajari. Junho,1998
MMA, Ministério do Meio Ambiente.
1999. Diretrizes para a Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica. Caderno no. 13. Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Secretaria de Coordenação da Amazônia
1999. Experiências e Resultados dos Projetos em Execução do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil - PPG7. Secretaria de Coordenação da Amazônia
1999. First National Report for the Convention on Biological Diversity Brazil. Secretariat for Biodiversity and Forests.
1999. O PPG7 em Rondônia. Incentivos à Manutenção dos Recursos da Florestal. Sec. de Coordenação da Amazônia.
1999. O PPG7 em Roraima. Ajudando a Construir um Futuro Sustentável. Secretaria de Coordenação da Amazônia.
1999. O PPG7 na Mata Atlântica. Ajudando a Recuperar e Conservar a Floresta Ameaçada.
1999. O PPG7 no Acre. Uma Oportunidade de Mudar o Destino da Floresta e de sua Gente.
1999. O PPG7 no Amapá. Um Laboratório de Desenvolvimento Sustentável na Amazônia.
1999. O PPG7 no Amazonas. Inspirando Modelos Sustentáveis de Ocupação do Território
1999. O PPG7 no Maranhão: Novas Esperanças no Combate ao Desmatamento
1999. O PPG7 no Mato Grosso. Mudanças Promissoras no Panorama Ambiental do Estado
1999. O PPG7 no Pará. Contribuindo para o Uso Sustentável dos Recursos Naturais
1999. O PPG7 no Tocantins. Planejar o Crescimento Focalizando a Qualidade Ambiental
1999. Proposta de Reformulação do Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais do Brasil
1999. Secretaria de Coordenação da Amazônia - Experiências e Resultados dos Projetos em Execução do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil - PPG7 BsB 10/1999
1999. Secretariat for Biodiversity and Forests. First National Report for the Convention on Biological Diversity
2000. Brazil: Amazon Region Protected Areas Program (ARPA). Unpubl. Project proposal. Archives GEF
2000. Política Nacional de Florestas. 22 abril 2000
2000. Secretaria de Coordenação da Amazônia, Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais do Brasil. Projeto PROTEGER II, Reunião de Preparação - Ajuda Memória, Brasília - DF, 25 Abril 2000
2000. Termo de Referência: Núcleo Assessor de Planejamento para a Mata Atlântica. Arquivos World Bank
2000. Roteiro de Análise Econômica para o Programa Nacional de Gerenciamento Costeiro.
Ministério do Meio Ambiente (MMA)/CONAMA 1999. Mata Atlântica Reserva da Biosfera. Diretrizes para a
Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica. Caderno n° 13
Ministério do Meio Ambiente (MMA)/CONAMA. 1999. Comitês Estaduais da Reserva da Biosfera da Mata
Atlântica. Manual para Implantação e Funcionamento
(MMA) Ministério do Planejamento. 1998. Queimada Controlada. Verde é a Cor do Brasil.
(MMA)/SCA. 1999. Proposta de Reformulação do Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais do Brasil.  27 Setembro, 1999
(MMA)/SCA/PPG-7. 1999. Projetos Demonstrativos - 2a fase (18.08.1999, proposta de projeto)
(MMA)/SCA/PPG-7. 1999. Regional Demonstration Projects - PDB (1/1999, preliminary version in english)
(MMA)/SCA/PPG7. 2000. Projeto Apoio ao Monitoramento e Análise - AMA -Unidade de Monitoramento e Análise - UMA. Estudos Realizados pelos Subprogramas e Projetos do PPG7. Dados e Análises sobre Experiências de Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Brasileira. January 2000
Ministry of Science and Technology/Technical Secretariat. 1998. Pilot Program for the protection of Brazilian
Rain Forests. Subprogram of Science and technoly. PPG-7 - Report 1998. Brasília
Missão de Avaliação do Meio-Termo de Projetos Centros de Ciência e Pesquisa Dirigida - Fase I e Centros de Ciência - Fase Emergencial. 1997. Ajuda Memória. Draft for Discussion. Mollison, B. & Slay, R. M. (tradução: André Luis Jaeger Soares). Introdução à Permacultura. 01 Novembro, 1998
Monteiro, Raimunda. 2000. Elaboração do PDB. Proposta para a Reunião do dia 28.01.2000
Museu, Paraense Emílio Goeldi. 1999a. Relatório final. Projeto Centros de Ciência, Fase 1 - Etapa 1
Negret, Fernando. (no date) Algumas Considerações sobre a Proposta-Estudo de Estruturação dos Projetos
Demonstrativos Tipo “B” - PD/B. MMA/SCA/PPG-7
Noda, Hiroshi, Luiz Augusto Gomes de Souza e Ozório José de Menedes Fonseca (eds.). 1997. Duas Décadas de Contribuições do INPA à Pesquisa Agronômica no Trópico Úmido. INPA
OECD. 1991. Principles for Evaluation of Development Assistance. Development Assistance Committee.
OECD. 1996. Shaping the 21st Century: The Contribution of Development Cooperation
Pantoja, S. R. M. et al. 2000. Indicativo para o Manejo de Produtos Madeireiros (PMs) na Região do Lontra
da Pedreira - AP. Relatório. 20 Março 2000
Pantoja, S. R. M. et al. 2000. Sistemas e Práticas Agorflorestais em Áreas de Várzeas. Relatório. 20 Março 2000
PDA nº 31. Frutos do Cerrado. Relatório 1997 e 1998.
PDA nº 33. 1999. Frutos do Cerrado. Município de Loreto, MA - COOPRAL. Relatório. 31 Dezembro, 1999.
PDA nº 34. 2000. Frutos do Cerrado. Município de S. Raimundo das Mangabeiras, MA. Relatório. Março,2000
PDA/PPG7. 1998. Oficinas de Intercâmbio de Experiências - Lições dos Projetos Apoiados pelo PDA-PPG7. 1998
PGAI. Projeto de Gestão Ambiental Integrada do Estado do Pará. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Proposed Guidelines for Bilateral Associated Projects. Pilot Program to Protect the Brazilian Rain Forest. 1996. Report on the Third Meeting of the Participants, Bonn, Germany. Archives BMZ
Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. 1999. Review of Institucional Arrangements. Relatório Final. July, 1999
PNFC/PNUD. Princípios Básicos para a Formação e Recuperação de Florestas Nativas BRA-97/015
PNMA. Anexo A - Manual de Procedimentos Operacionais de Execução Financeira do Programa Nacional de Meio Ambiente II.
PNMA. Anexo B - Manual de Procedimentos para Aquisição de Bens, Contratação de Obras e de Serviços de Consultoria.
PNMA. 1997. Programa Nacional do Meio Ambiente. Avaliação Final - Última Versão. Políticas Públicas para a Amazônia 97/98. Rumos Tendências e Propostas. GTA. Amigos da Terra. Programa Amazônia, 1998
PPG7. 1992. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Internacional Bank for Reconstruction andDevelopment - Resolution no IBRD 92. Estabilishment of the rain Forest Trust Fund. 13 Março, 1992.
PPG7. 2000. Pilot Program to Conserve the Brasilian Rain Forest (PPG7). Resolution of the Board of
Executive Directors of the World Bank (March 1992). Establishment of the Rain Forest Trust Fund. 20.03,00
Presidência da República. 1996. Decreto nº 1775 08/01/96
PRO-CITTA. Instituto de Estudos Pró-Cidadania. 1997. Projeto “Doces Matas” - PN 93.2538.2-01.100. Perfil
Socioeconômico das Comunidades do Entorno do Parque Estadual do Rio Doce. GTZ Arquivos
Programa de Necessidades. 1999b. Eixos Prioritários de Investimento, Programa Piloto (PPG-7) Fase I
(Continuação). Peter Mann de Toledo. Belém
Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil. Projetos Demonstrativos A
Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais do Brasil. 1996. Missão de Avaliação. 7-19 Abril
Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais do Brasil. 1997. Missão de Avaliação. 20-31 Jan
Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais do Brasil. 1997. Avaliação do Meio Termo. 6-14 Out
Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais do Brasil. 1998. Missão de Supervisão 27 Abril a 4 Agosto, 1998
Projeto Lontra, Socialização das Experiências. Indicativos para Continuidade de Desenvolvimento da
Comunidade do Lontra da Pedreira. Relatório. Fevereiro 2000
Projeto Reservas Extrativistas. Ajuda Memória. Missão Avaliação. 7 a 19 Abril, 1996
Projeto Resex. 1995. Projeto de Educação Ambiental, Projeto de Terras Indígenas. Missão de Discussões Técnicas.  16 Novembro a 5 Dezembro, 1995
Projeto Várzea. 1998. Missão de Avaliação. 04 - 20 Maio 1998
Projeto Várzea. 1999. Missão de Supervisão. Ajuda de Memória. 18 - 22 Outubro, 1999.
Projeto Várzea. 1999. Manual de Operações - Componentes Iniciativas Promissoras. Relatório Versão 1.6. / 11. 1999.
Projeto Várzea. 2000. Primeiro Encontro dos Administradores do Programa. Relatório. Março 2000.
PRONAF/ PNMT. Oficina de Sensibilização de Comunidades - Fases 1 e2.
Proposta. Consorciação de Fruteiras e Espécies Madeireiras de Valor Comercial em São João da Baliza, RR. 1995 - 2000
Proposta. 1994. Rain Forest Trust Fund Grant and CEC Grant Agreement (Extractive Reserves Project). 16,11,1994
Rede ONG’s Mata Atlântica. 1996. Projeto de Apoio Financeiro e Institucional ao RMA, Brasília, Agosto 1996
Rede ONG’s Mata Atlântica. 1997. Ofício OFRM 086/97 enviado ao Banco Mundial, Salvador, 17/12/1997
Rede ONG’s Mata Atlântica. 1997. Relatório Atividades Projeto Apoio Institucional ao RMA, Salvador, Dezembro 1997
Reforma Tributária Ecológica, 1998
Relatório de Viagem da Visita à APREMAVI. 1999. Relatório. 26 a 29 Novembro, 1999
Relatório de Viagem de Intercâmbio ao Projeto Reca em Nova Califórnia. 1999. RO. Relatório. 29 a 30 Novembro, 1999
Relatório Final de Pesquisa. Avaliação da Sustentabilidade do Ecossistema Várzea Comunidade do Lontra da Pedreira - AP
Relatório Técnico Preliminar. 2000. Sub Área Fauna Silvestre. 2ª Versão. 20 Março 2000
Relatório. 2000. An Evoluation of Six Demonstration Projects. 4 Março, 2000
Relatório. 2000. Cominidade do Lontra da Pedreira: Aspectos Gerais. 20 Março 2000
Relatório. Espécies Florestais Encontradas nos Quintais Agroflorestais da Comunidade do Lontra da Pedra - AP
Relatório. 2000. Indicativo para o Manejo do Pau Mulato para Aproveitamento de Capoeiras na Região do
Lontra da Pedreira - AP. 20 Março 2000
Relatórios e Programas. Criação de Abelhas na Amazônia - Casa da Cultura de Urubuí - Presidente Figueiredo, AM
Revista Amazônia Vinte e Um. 2000. Ano 2. Nº 05. 01 Fevereiro, 2000
Salati, Eneas, Ángelo A. Santos, Thomas E. Lovejoy and Israel Klabin. 1998. Porque Salvar a Floresta Amazônica. INPA
Santilli, Marcio et al. Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil. Avaliação dos
Projetos Demonstrativos A. Archives MMA Technical Secretariat PDA, Brasília
Scholz, I. 1999. Nutzung natürlicher Ressourcen zwischen Raubbau und Nachhaltigkeit: Sozioökonomische
Bedingungen und unternehmerische Handlungsmuster. Das Beispiel der Tropenholzindustrie in Pará
(Brasilien) 1960-1997. Deutsches Institut für Entwicklungspolitik (DIE). Band 117. Bonn
Schröder, Peter, Paul E. Little, and Carlos Amaral. 2000. PDPI - Projetos Demonstrativos dos Povos
Indígenas: Documento do Projeto. MMA/SCA/PPG-7, GTZ/PPTAL
Schuerholz, Goetz. 1998. “Buffer Zone”: A Term To Put To Rest. IUCN: CPA news letter.
Science Advisory Group. 1992. A Needs Assessment for the Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia and the Museu Paraense Emilio Goeldi. A Report Prepared for the Secretaria da Ciência e Technologia (SCT-PR). Working Draft
Secretaria Coordenação Amazônia. 1996. Ofício 750 MMA/SCA/PPG7/PD/A, enviado Banco Mundial, Brasília
Sigilo, Auditoria e Perícia S/C. Relatório de Auditoria Financeira e Análise de Prestação de Contas do Projeto PROTEGER
Silva, Márcio Ferreira da. 1998. Educação e Sociedades Indígenas: Subsídios aos Projetos Demonstrativos
dos Povos Indígenas. São Paulo
SMA São Paulo. 1998. Fase 1-Plano de Gestão Ambiental. Parque Estadual da Serra do Mar Núcleo Santa
Virgínia/Natividade da Serra. Arquivos SMA, São Paulo
SMA São Paulo. 1998. Suplemento ao Plano de Gestão Ambiental - Fase I, Núcleo Santa Virgínia (PESM).
Arquivos SMA São Paulo
SMA São Paulo. 1999. Incorporação de Novas Unidades de Conservação na Área de Abrangência do Projeto de Preservação Da Mata Atlântica PPMA-SMA/KfW. Arquivos SMA, São Paulo
SMA São Paulo. 1999. Plano Operativo Anual, Núcleo Santa Virgínia do Parque Estadual da Serra do Mar.
Arquivos SMA, São Paulo
Smeraldi, R. & Veríssimo, J. A. O. 1999. Acertando o Alvo - Consumo de Madeira no Mercado Interno
Brasileiro e Promoção da Certificação Florestal. São Paulo SP; Amigos da Terra - Programa
Amazônia; Piracicaba, SP: IMAFLORA; Belém, PA: IMAZON
Sociedade Brasileira de Silvicultura (SBS). 1999. O Setor Florestal Brasileiro. Fatos e Números. São Paulo
SOS, ISA e INPE. 1998. Atlas de Evolução dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados no
Domínio da Mata Atlântica no Período 1990 - 1995. Arquivos SOS, São Paulo
Summary of the 5th Participants Meeting in Brasíilia. October 27-29, 1999
Terms of Reference. G-7 Pilot Programme to Conserve the Brazilian Rain Forest: Review of the Management Arrangements
TOCANTINS. Governo Estadual. 2000. Relatório do SPRN, 1996-1999. Palmas-TO
TOCANTINS. Grupo de Trabalho. 2000. Relatório de Progresso 1999, Projeto de Gestão Ambiental
Integrada PGAI-Bico do Papagaio. Março 2000. Palmas-TO
Tourinho, M. 2000. M. Mata, Açaí e Banana no Uso da Terra Ribeirinha do Lontra da Pedreira no AP. 20 Março 2000
Tuazon, R., C. Smith, V. Leister, S. Stone, M. Dourjeanni, M.A. Salgado Mendes & A.S. Maldonado. Brazil:
Support Program for the National Environment Fund (Fundo Nacional do Meio Ambiente, FNMA) II.
Project Report BR-0262. IADB
UNDP. 1998. Project Budget Document. Projeto de Apoio ao Monitoramento e Análise - PPG7, August 1998
UNESC. 1995-1998. Políticas Públicas Sociais - Um Novo Olhar sobre o Orçamento da União.
USAID. 1999. Ref. TF 020599 - PROTEGER - Ofício GTA 014/11/99, Brasília, 25 Novembro 1999
UTAM. Proposta para Manejo Florestal Comunitário - Projeto de Assentamento Tarumã Mirim
Wenz. 1999. Schutz des tropischen Kuestenwaldes Mata Atlântica. Kurzbeschreibung der Vorhaben, Aktuelle Situation der Vorhaben und wichtige Veraenderungen des Projektumfeldes (insbesondere Traeger und Sektor). Archives KfW, Germany
Viana, Virgílio M. et al. 1998. Plano de Ação para a Mata Atlântica - Componente PPG7. Arquivos World Bank, Brasília
Wiedmann, Sonja. 1997. The Private Reserves of Natural Heritage (RPPN). Anais do Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. Curitiba, Paraná
Wildlife Conservation Society. 1999. Biodiversity Conservation in the Context of Tropical Forest
Management. October 13, 1999
Viola, Eduardo J. et al. 1998. Meio Ambiente Desenvolvimento e Cidadania - Desafios para Ciências Sociais - São Paulo Cortez- Florianópolis, Universidade de Santa Catarina.
World Bank. 1994. Memorandum and Recommendation of the Director of the Latin America and the
Caribbean Department I to the Regional Vice President on a Proposed Grant From the Rain Forest
Trust Fund in Amount Equivalent to US$ 3 Milion to the Federative Republic of  Brazil. 27 Outubro, 1994
World Bank. 1994. Memorando e Recomendação do Diretor do Banco Mundial para a América Latina e
Caribe sobre Proposta do Fundo de Florestas Tropicais ao Governo do Brasil para o Projeto de Política
de Recursos Naturais. Relatório Número 13620-BR. 22 Novembro 1994. Washington-DC
World Bank. 1995. Aide Memoire. First supervision mission February 7-16, 1995: Science Centers and
Directed Research Project - Phase I and Science Centers Emergency Assistance
World Bank. 1995. Memorandum and recommendation of the Director of the Latin America and the
Caribbean Department I to the Regional Vice President on a Proposeed Grant from the Brazilian Rain
Forest trust Fund to the Federative Republic of Brazil for a Indigenous Lands. 6 Julho, 1995
World Bank. 1995. Missão de Discussões Técnicas - Ajuda Memória - BsB, 16 de Novembro a 05 de Dezembro de 1995
World Bank. 1995. Pilot Program to Conserve The Brazilian Rain Forest- Report n.º 13048-BR. June, 1995
World Bank. 1995. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Report on the Second Meeting of the Participants.
World Bank. 1996. Aide memoire. Second supervision mission March 4-12, 1996: Science Centers and
Directed Research Project - Phase I and Science Centers Emergency Phase
World Bank. 1996. Banco Mundial, (FAX ao GTA S/N), Brasília - DF, transmitido, 22 Agosto1996
World Bank. 1996. Banco Mundial, FAX enviado Secretaria Técnica PD/A, Brasília, 29 Novembro 1996
World Bank. 1996. Brazil: National Biodiversity Project, Brazilian Biodiversity Fund Project. Project Document. Report No 14523-BR. Natural Resources, Environment and Rural Poverty Operations Division. Country Department I, Latin America and the Caribbean Region
World Bank. 1996. Memorandum and Recommendation of the Director of the Latin America and the
Caribbean Department I to the Regional Vice President on a Grant From the Brazilian Rain Forest
Trust Fund to the Federative Republic of Brazil for a Forest Resources Management. Nov. 7, 1996
World Bank. 1996. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Progress Report. World Bank Archives, Brasília
World Bank. 1996. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Memorandum and Recommendation
of the Director of the Latin America and the Caribbean Department I to the Vice President on a
Proposed Grant from the Rain Forest Trust Fund in an Amount Equivalent to USD 2.0 Million to the
Federative Republic of Brazil for a Forest Resources Management Project. Report No. 15687-BR. Nov. 27, 1996
World Bank. 1996. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Report on the Third Meeting of the Participants.
World Bank. 1997. Ajuda Memória. Missão de Avaliação do Meio-Termo 2 a 15 setembro de 1997. Projetos
Centros de Ciência e Pesquisa Dirigida - Fase 1 e Centros de Ciência - Fase Emergencial
World Bank. 1997. Banco Mundial, Resultados do Subprojeto de “Apoio à Participação da Sociedade Civil
no PPG7” através do Grupo de Trabalho Amazônico (GTA), Brasília - DF, Outubro 1997
World Bank. 1997. Brazil Rain Forest Unit. Addendum to the Report Participants of the Pilot Program to
Conserve the Brazilian Rain Forest. 24 October
World Bank. 1997. Discussion Paper for Donors Meeting, 15-16 April. Brazil Rain Forest Pilot Program. Paris
1997. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Report on the Fourth Participants Meeting. Manaus-AM
World Bank. 1997. Missão de Acompanhamento - Ajuda Memória, BsB 24/06 a 04/07 de 1997.
World Bank. 1997. Missão de Acompanhamento. Ajuda de Memória. 14 a 17 Janeiro, 1997. 4 p.
World Bank. 1997. Missão de Acompanhamento. Ajuda de Memória. 24 Junho a 4 Julho, 1997. 8 p.
World Bank. 1997. Performance Indicators for the Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Discussion Paper. Manaus Participants Meeting. October 1997
World Bank. 1997. Rain Forest Unit. Performance Indicators for The Pilot Program to Conserve the Brazilian
Rain Forest. Discussion Paper. Manaus Participants Meeting
World Bank. 1997. Report to the Participants of the Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. For
the Period Sep. 1996 through Sep. 1997
World Bank. 1997. Transition to Phase Two. Discussion Paper for Donors’ Meeting, 15-16 April. Brazil Rain
Forest Pilot Program. Paris
World Bank. 1998. Grant Agreement No. TF 020599, Brasilia, 6 Outubro1998.
World Bank. 1998. Missão de Acompanhamento - Ajuda Memória BsB. 16 a 23 de Fevereiro de 1998.
World Bank. 1998. Missão de Acompanhamento. Ajuda de Memória. 16 a 20 Fevereiro, 1998.
World Bank. 1998. Missão de Avaliação de Meio Termo - Ajuda Memória BsB 16 a 23 de outubro de 1998
World Bank. 1998. Missão de Avaliação de Meio Termo. 16 a 23 Outubro, 1998
World Bank. 1998. Project Appraisal Document on a Proposed Grant in the Amount of US$ 2.0 Million
Equivalent to the Federative Rebublic of Brazil for a Monitoring and Analysis Project under the Pilot
Program to Conserve the Brazilian Rain Forest, August 1998
World Bank. 1999. (ESSD/OF 639/99), Brasília, 24 Agosto 1999.
World Bank. 1999. (ESSD/OF 640/99), Brasília, 30 Agosto 1999.
World Bank. 1999. (ESSD/OF 701/99), Brasília, 24 Novembro 1999
World Bank. 1999. Ajuda Memória da Primeira Missão de Supervisão do PPG7/SPRN de 21 de Outubro a 4
de Dezembro de 1998 e 10 a 20 de Março de 1999. Brasilia-DF
World Bank. 1999. Annual Report on Progress. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest.
1999. Brazilian Rainforest Pilot Program Update, Volume 7. 1999. Archives BMZ.
1999. Draft Minutes for Meeting No. 1. Donor Coordination Committee. December 9.
1999. Joint Steering Committee. Minutes of the First Meeting. PP to Conserve the Brazilian Rain Forest.
1999. Missão de Supervisão. Ajuda Memória BsB. julho 07/14 de 1999.
1999. Missão de Supervisão. Ajuda de Memória. 7 a 14 Julho, 1999. 6 p.
1999. PP to Conserve the Brazilian Rain Forest. Joint Steering Committee. Minutes of the First Meeting.
1999. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Annual Report on Progress. March 30, 1999
1999. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest (PPG7).
1999. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Interim Participants Meeting, 7-9, April. Paris.
1999. Pilot Program to Conserve The Brazilian Rain Forest. Review of Institutional Arrangements.
1999. PP to Conserve the Braz. Rain Forest. Summary of Conclusions. Interim Participants Meeting,  Paris.
1999. PP to Conserve The Brazilian Rain Forest. Summary of the 5th Participants Meeting. Brasília.
1999. Project Appraisal Document on a Proposed Grant in the Amount of US$ 2 million to the
Federal Republic of Brazil for a Floodplain Natural Resources Management. 15 Maio 1999.
1999. Rain Forest Trust Grant Agreement. Documento de Avaliação. 28 Abril 1999.
1999. Rain Forest Unit. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Report to the International Advisory Group for the Period April-June 1999.
1999. Review of Institutional Arrangements. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest.
1999. RFU (ESSD OL 574/99), Brasília-DF, 13 Junho 1999.
1999. RFU (OL 583/99), Brasília-DF, 24 Junho 1999.
1999. Summary of the 5th Paricipants Meeting in Brasília. October 27-29, 1999.
1999a. Ajuda memória. Preparação da Fase 1 (Etapa 2) do Subprograma de Ciência e Tecnologia, Projetos Centros de Ciência e Pesquisa Dirigida - Fase 1 (Etapa I) e Centros de Ciência - Fase Emergencial.
1999b. Ajuda Memória. Missão de Supervisão 1 a 11 Feveiro de 1999. Projetos Centros de Ciência e Pesquisa Dirigida - Fase 1 (Etapa I) e Centros de Ciência - Fase Emergencial.
2000. Donor Coordination Committee. Draft Minutes for Meeting No. 2, February 28.
2000. Forest in the Balance: Challenges of Consevation with Development. An Evaluation of Brazil’s Forest Development and World Bank Assistance. January 6, 2000.
2000. Office Memorandum. 06 Junho 2000. Brasilia-DF.
2000. Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest. Joint Steering Committee. Draft Minutes of the Second Meeting



INCRA, Was ist INCRA

Sunday, December 21st, 2008

Was ist INCRA, Landbesetzungen, Abholzung



Links:


Das INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária
(Nationale Besiedlungs- und Landreformbehörde))

ist für die Landreform und die Ansiedlung von
bäuerlichen Betrieben zuständig. Es ist dem Ministerium für
landwirtschaftliche Entwicklung MDA zugeordnet und
verwaltet die Flächen die im Eigentum des Bundes
stehen. Das INCRA wurde in den 70er Jahren gegründet,
um die „leeren“ Flächen Brasiliens, hauptsächlich in Amazonien,
zu besiedeln.

Das INCRA hat 29 Superintendências, denen
jeweils mehrere Regionalbüros unterstehen.
Die Aufgabe des INCRA besteht darin, Landtitel zu verteilen
bzw. Ansiedlungsprojekte durchzuführen.
Das INCRA verkauft das Land an die Siedler
und sichert im Gegenzug die Durchführung grundlegender
Infrastrukturmaßnahmen zu, wie den Bau von Straßen
und die Strom- und Wasserversorgung. Außerdem haben
die Siedler für den Häuserbau und als allgemeines Startkapital
Anrecht auf günstige Kredite.
Die meisten Ansiedlungsprojekte werden dort
durchgeführt, wo schon Landbesetzungen von sozialen
Bewegungen statt gefunden haben.

Es gibt zwei verschiedene Landbesetzungsformen durch die sozialen Bewegungen:
die der Landlosenbewegung MST und die des Landarbeitergewerkschaftsverbands
FETAGRI.

Das MST dringt in der Regel in Ländereien von Großgrundbesitzern ein,
besetzt diese und schafft damit vollendete Tatsachen. Um das
besetzte Land zu verlassen, bietet das INCRA ihnen alternatives
Land an. Die FETAGRI hingegen besetzt Land, das
niemandem gehört. Die Leute siedeln sich dort an und
hoffen auf den Erhalt von Landtiteln. Das INCRA legalisiert
diese Landbesetzungen häufig, indem es nachträglich ein
Ansiedlungsprojekt durchführt.

Eines der Probleme mit den Ansiedlungsprojekten in Amazonien
ist, dass die Besonderheiten der Region bei der
zentralen Planung in Brasilia oft nicht berücksichtigt werden.
Zwar sind z. B. die Grundstückspreise in der Regel
niedriger, dafür sind aber die Materialien für die Schaffung
von Infrastruktur wesentlich teurer als im Süden. Die darauf
beruhenden Fehlkalkulationen hatten in der Vergangenheit
oft zur Folge, dass die versprochenen Infrastrukturleistungen
nicht erbracht werden konnten und die angesiedelten
Kleinbauern oftmals unter prekären Bedingungen ihr Dasein
fristen. So sehen sich die Bauern oft gezwungen, als alternative
Einkommensquelle bspw. Einschlagsrechte an die
Holzindustrie zu verkaufen.


Schritte einer illegalen Landnahme
(“grilagem”)
1. Interessensverbände schließen sich zusammen und
gründen “Kooperativen”, um Land  zu
“erwerben”. Sie suchen sich eine bestimmte Fläche aus.

2. Über das ausgewählte Gebiet wird sodann beim
INCRA eine Auskunft über die Eigentumsverhältnisse
eingeholt. Diese sog. certidões muss das INCRA innerhalb
von 30 Tagen erteilen.

3. Wenn aus der certidão hervorgeht, dass das betreffende
Land nicht im Privateigentum steht, keine Indigenengebiete
und keine Ansiedlungsprojekte umfasst, wird
ein wirtschaftlicher Nutzungsplan erstellt.

4. Dieser Plan wird zusammen mit der schriftlichen Auskunft
dem IBAMA mit einem Antrag auf Entwaldung
vorgelegt. Das IBAMA erteilt die Entwaldungsgenehmigung
oftmals rechtswidrig, weil die Entwaldung nur
dann genehmigt werden darf, wenn Landtitel vorliegen.

5. Als nächstes erfolgt die Abholzung und damit der
“Beleg”, dass das Land tatsächlich wirtschaftlich genutzt wird.

6. Dann erfolgt der Gang zum Notariat, wo auf der
Grundlage der schriftlichen Auskunft, der Genehmigung
des IBAMA und der Beleg der tatsächlichen Nutzung
die rechtswidrige Beurkundung eines Landtitels erfolgt.




Legaler Holzeinschlag

Es gibt zwei Möglichkeiten, legal Holz einzuschlagen, beide
sind mit Anträgen an das IBAMA verbunden. Die erste
Möglichkeit ist, dass der Grundbesitzer eine Entwaldungsgenehmigung
beantragt, wenn er auf seinem Land Viehweiden
oder Ackerflächen anlegen will. Die zu entwaldende
Fläche darf in Primärwaldgebieten Amazoniens nicht mehr
als 20 % betragen, darüber hinaus müssen die permanenten
Schutzgebiete auf Hängen, an Wasserläufen und Quellen
berücksichtigt werden (siehe Waldschutzgesetz).

Die zweite

Möglichkeit ist der Waldbewirtschaftungsplan, der den
selektiven Einschlag regelt. Beide Anträge werden in der
Regel von freiberuflichen Forstingenieuren für das jeweilige
Unternehmen erstellt. Für das zu bewirtschaftende Wald oder
Grundstück müssen Landtitel nachgewiesen werden.
Das IBAMA hat oft nicht überprüft, ob diese Titel auch
rechtens sind. Eine Genehmigung der Anträge war im Falle
der Waldbewirtschaftung früher an eine vorherige Besichtigung
des Waldstücks gebunden, die aus Personal- und
Ressourcenmangel oder Korruption oft unterblieb.

In der Regel war die Genehmigungspraxis extrem schwerfällig
und langsam. Seit 2001 gibt es ein Dekret des MMA, das
besagt, dass alle beantragten Waldbewirtschaftungspläne
nach 60 Tagen automatisch als bewilligt gelten. Damit hat
der Unternehmer die Möglichkeit, den Plan umzusetzen und
muss sich dabei an die entsprechenden Gesetze halten. Das
IBAMA wiederum hat eine rechtliche Grundlage, um die
Umsetzung der Pläne zu kontrollieren, also hinzufahren und
zu prüfen, ob das Holz wirklich dort eingeschlagen wird.
Um Unregelmäßigkeiten bei der Kontrolle vor Ort zu verhindern,
wird gegenwärtig ein satellitengestütztes System
zur Kontrolle des Einschlags und des Transports aufgebaut
(SISPROF).

Redaktion, WebDesign und SEO bei Web500.com.br / Daniel Konzett

Alle Rechte sind bei den jeweiligen Autoren

“Dominio Mata Atlântica” Gesetzestexte DMA

Sunday, December 21st, 2008

Gesetze zum Schutze der  Mata Atlântica!

“Dominio Mata Atlântica” Gesetzestexte DMA



Links:


Folgende Gesetze wurden erlassen zum Schutze des Atlantischen Regenwaldes, Mata Atlântica.
Die Gesetzestexte folgen Bald!
Quelle: Dosier Mata Atlantica, Gesetzestexte ab Seite 165


Jahr
Art & Nummer des Gesetzes
Ziel des Gesetzes
1993
Decreto Federal no 750/93 Dispõe sobre o corte, a exploração e a supressão de
vegetação primária ou nos estágios avançado e médio de
regeneração da Mata Atlântica, e dá outras providências.
1993 Resolução Conama no 10/93 Estabelece os parâmetros básicos para análise dos estágios
de sucessão da Mata Atlântica (regulamentação dos artigos
3º, 6º e 7º do Decreto 750, de 10 de Fevereiro de 1993).
1994 Resolução Conama no 1/94 Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial,
médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no
Estado de São Paulo (regulamentação do artigo 6º do
Decreto 750/93).
1994 Resolução Conama no 2/94 Definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial,
médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no
Estado do Paraná (regulamentação do artigo 6º do Decreto
750/93)
1994 Resolução Conama no 4/94 Define ve getação primária e secundária nos estágios inicial,
médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no
Estado de Santa Catarina (regulamentação do artigo 6º do
Decreto 750/93).
1994 Resolução Conama no 5/94 Definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial,
médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no
Estado da Bahia (regulamentação do artigo 6º do Decreto
750/93)
1994 Resolução Conama no 6/94 Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial,
médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no
Estado do Rio de Janeiro (regulamentação do artigo 6º do
Decreto 750/93).

1994 Resolução Conama no 12/94 Aprova o Glossário de Termos Técnicos, elaborado pela
Câmara Técnica Temporária para Assuntos de Mata Atlântica.


1994 Resolução Conama n o 25/94 Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial,
médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no
Estado do Ceará (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93).

1994 Resolução Conama no 26/94 Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial,
médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Piauí (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93).

1994 Resolução Conama no 28/94 Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial,
médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado de Alagoas (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93).

1994 Resolução Conama no 29/94 Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial,
médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Espírito Santo (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93).

1994 Resolução Conama no 30/94 Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial,
médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Mato Grosso do Sul (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93).

1994 Resolução Conama no 31/94 Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial,
médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Pernambuco (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93).

1994 Resolução Conama no 32/94 Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial,
médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Rio Grande do Norte (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93).

1994 Resolução Conama no 33/94 Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial,
médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Rio Grande do Sul (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93).

1994 Resolução Conama no 34/94 Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Sergipe (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93).

1994 Resolução Conjunta SMA/SP – Ibama no 002/94
Estabelece as definições, as responsabilidades, os critérios básicos e as diretrizes gerais para a aplicação do disposto no
Artigo 4º do Decreto Federal 750/93, referente ao parcelamentos do solo ou qualquer edificação para fins urbanos nos perímetros urbanos ou de expansão urbana definidos por lei municipal, para o Estado de São Paulo.

1996 Resolução Conama no 3/96 Com vistas ao esclarecimento da aplicação do Decreto 750/93, define que a “vegetação remanescente de mata atlântica, expressa no parágrafo único do artigo 4º, do Decreto 750, de 10 de Fevereiro de 1993”, abrange a totalidade de vegetação primária e secundária em estágio inicial, médio e avançado de regeneração.

1996 Resolução Conama no 7/96 Aprova os parâmetros básicos para análise dos estágios de sucessão de vegetação de restinga para o Estado de São Paulo.

1996 Resolução Conama no 9/96 Define corredores entre remanescentes de vegetação primária e em estágio médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica.

1996 Resolução Conjunta SMA/SPIbama no 5/96
Acrescenta dispositivos à Resolução Conjunta 2, de 12 -05-94, que regulamenta o artigo 4º do Decreto Federal 750, de 10-
02-93, dispondo sobre o corte, a exploração e a supressão de vegetação secundária no estágio inicial de regeneração de
Mata Atlântica no Estado de São Paulo.

1997 Deliberação Consema/SP no 18/97
Dispõe sobre os procedimentos para a aplicação do art. 5° do Decreto Federal n° 750, de 10 de fevereiro de 1993, no
âmbito da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, que trata da supressão de vegetação secundária de
Mata Atlântica, nos estágios médio e avançado de regeneração, relativos ao parcelamento do solo ou qualquer edificação para fins urbanos.

1998 Resolução Conama no 240/98 Determina ao IBAMA e aos órgãos ambientais da Bahia, em conformidade com suas competências, a imediata suspensão das atividades madeireiras que utilizem como matéria-prima árvores nativas da Mata Atlântica, bem como de qualquer tipo de autorização de exploração ou desmate de flores tas nativas concedidas pelo IBAMA ou pelos órgãos ambientais estaduais, na área de Mata Atlântica do Estado da Bahia.

1999 Resolução Conama no 248/99 Determina as diretrizes para as atividades econômicas envolvendo a utilização sustentada de recursos florestais procedentes de áreas cobertas por floresta ombrófila densa, em estágio primário, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado da Bahia.

1999 Resolução Conama no 249/99 Aprova as Diretrizes para a Política de Conservação e
Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica.

1999 Resolução Conama no 261/99 Aprova os parâmetros básicos para análise dos estágios de sucessão de vegetação de restinga para o Estado de Santa Catarina .

2001 Medida Provisória no 2.080- 59/01 Altera os arts. 1o, 4o, 14, 16 e 44, e acresce dispositivos à Lei no 4.771, de 15 de setembro de 1965, que institui o Código Florestal, bem como altera o art. 10 da Lei n o 9.393, de 19 de dezembro de 1996, que dispõe sobre o Imposto Territorial Rural - ITR, e dá outras providências.

Redaktion, WebDesign und SEO bei Web500.com.br / Daniel Konzett

Alle Rechte sind bei den jeweiligen Autoren

Mata Atlântica in Bahia Brasilien, 330 Gemeinden

Sunday, December 21st, 2008

Welche Gemeinden in Bahia haben Mata Atlântica?



Links:


A - B

dmabahia1

B - D

dmabahia2

D - I

dmabahia3

I - L

dmabahia4

L - N

dmabahia6

N - S

dmabahia7

S - U

dmabahia8

U - Z

dmabahia9

APAE 660 Geschützte Gebiete Brasiliens

Sunday, December 21st, 2008

APAE (Área de Proteção Ambiental)
Naturschutzgebiete in ganz Brasilien
(Stand 2004)



Links:


Nachfolgend eine Liste der 660 geschuetzten Gebiete in Brasilien

Nr:
Name des Gebietes und Bundesstaat
Hektaren
001
Área de Relevante Interesse Ecológico Abelha/Rio da Prata I SC 1.258
002
Área de Relevante Interesse Ecológico Abelha/Rio da Prata II SC 2.977
003
Parque Nacional Marinho Abrolhos BA 91.300
004
Reserva Biológica Federal Abufari AM 288.000
005
Floresta Nacional Açungüi PR 490
006
Reserva Biológica Estadual Aguaí SC 7.673
007
Floresta Estadual Águas de Santa Bárbara I SP 1.801
008
Floresta Estadual Águas de Santa Bárbara II SP 2.178
009
009Reserva Biológica Estadual Águas Emendadas DF 10.547
010
Parque Estadual Águas Quentes MT 1.470
011
Parque Estadual Agudo da Cotia PR 1.010
012
Estação Ecológica Federal Aiuaba CE 11.525
013
Parque Estadual Albert Löfgren SP 174
014
Área de Proteção Ambiental Estadual Algodoal-Maiandeua PA 2.370
015
Reserva Extrativista Federal Alto Juruá AC 506.186
016
Área de Proteção Ambiental Federal Alto Parnaíba PI 61.000
017
Parque Estadual Turístico Alto Ribeira SP 36.710
018
Floresta Nacional Amapá AP 412.000
019
Reserva Florestal Estadual Amaporã PR 205
020
Floresta Nacional Amazonas AM 1.573.100
021
Parque Nacional Amazônia PA 994.000
022
Estação Ecológica Federal Anavilhanas AM 350.000
023
Reserva Biológica Estadual Andradina SP 168
024
Floresta Estadual Angatuba SP 1.195
025
Área de Proteção Ambiental Federal Anhatomirim SC 14.640
026
Parque Florestal Estadual Anhumas MG 21
027
Parque Nacional Aparados da Serra (Itaimbezinho) RS 10.250
028
Reserva Ecológica Federal Apiacás MT 1.513.000
029
Parque Estadual Ara SP 64
030
Estação Ecológica Federal Aracuri-Esmeralda RS 2.720
031
Parque Nacional Araguaia TO 562.300
032
Reserva Biológica Estadual Araras RJ 2.000
033
Floresta Nacional Araripe-Apodi ( * 2 Núcleos) PE 38.260
034
Estação Ecológica Estadual Assis SP 1.315
035
Reserva Biológica Federal Atol das Rocas RN 36.250
036
Reserva Biológica Federal Augusto Ruschi (Nova Lombardia) ES 3.600
037
Floresta Estadual Avaré I SP 74.183
038
Floresta Estadual Avaré II SP 665
039
Parque Estadual Bacanga MA 3.060
040
Área de Proteção Ambiental Federal Bacia do Rio Descoberto GO 32.100
041
Área de Proteção Ambiental Federal Bacia do Rio São Bartolomeu DF 84.100
042
Área de Proteção Ambiental Estadual Bacias do Gama e Cab. do Veado DF 25.000
043
Área de Proteção Ambiental Estadual Baixada Maranhense MA 1.775
044
Área de Proteção Ambiental Municipal Balbinos CE 250
045
Parque Estadual Baleia MG 102
046
Estação Ecológica Estadual Bananal SP 885
047
Área de Proteção Ambiental Federal Barra do Rio Mamanguape PB 22.000
048
Área de Proteção Ambiental Municipal Barra Nova CE
425
049
Área de Proteção Ambiental Municipal Barra Velha CE ——-
050
Floresta Estadual Batatais SP 1.350
051
Estação Ecológica Estadual Bauru SP 287
052
Floresta Estadual Bebedouro SP 92
053
Floresta Nacional Bom Futuro RO 280.000
054
Área de Proteção Ambiental Estadual Boquira BA 570
055
Reserva Particular do Patrimônio Natural Bosque e Argilas Belas PE 1.000
056
Floresta Estadual Botucatu SP 33
057
Estação Ecológica Estadual Bracinho/Piraí SC 4.606
058
Parque Nacional Brasília DF 28.000
059
Reserva Particular do Patrimônio Natural Bugerkopf SC 82
060
Reserva Florestal Estadual Buraquinho PB 471
061
Parque Florestal Estadual Cabeça de Cachorro PR 60
062
Área de Relevante Interesse Ecológico Cabeça de Cachorro PR 61
063
Área de Proteção Ambiental Estadual Cabeceira do Rio Balsas MA 58.650
064
Parque Nacional Cabo Orange AP 619.000
065
Área de Proteção Ambiental Estadual Cabreúva SP 26.100
066
Floresta Nacional Caçador SC 850
067
Parque Estadual Cachoeira da Fumaça ES 27
068
Área de Proteção Ambiental Estadual Cachoeira da Pancada Grande BA 50
069
Reserva Ecológica Federal Caetés PE 157
070
Estação Ecológica Estadual Caetetus SP 2.178
071
Área de Proteção Ambiental Estadual Cafuringa DF 39.000
072
Área de Proteção Ambiental Federal Cairuçu RJ 33.800
073
Floresta Estadual Cajuru SP 1.910
074
Parque Estadual Campinhos PR 208
075
Parque Estadual Campos do Jordão SP 8.341
076
Área de Proteção Ambiental Estadual Campos do Jordão SP 26.900
077
Reserva Particular do Patrimônio Natural Camurupim AL 52
078
Área de Proteção Ambiental Estadual Canal de Santa Cruz PE 5.290
079
Área de Proteção Ambiental Federal Cananéia/Iguape/Peruíbe SP 202.832
080
Parque Estadual Candeias RO 8.985
081
Área de Proteção Ambiental Estadual Candengo BA 7.000
082
Floresta Nacional Canela RS 557
083
Reserva Biológica Estadual Canela Preta SC 1.844
084
Parque Estadual Cantareira SP 7.916
085
Floresta Nacional Capão Bonito SP 4.347
086
Parque Nacional Caparaó MG 26.000
087
Área de Relevante Interesse Ecológico Capetinga-Taquara DF 2.100
088
Parque Estadual Capital SP 174
089
Área de Proteção Ambiental Municipal Caponga CE 920
090
Estação Ecológica Federal Caracaraí RR 80.560
091
Parque Florestal Estadual Caracol RS 25
092
Reserva Particular do Patrimônio Natural Caraguatá I SC 591
093
Reserva Particular do Patrimônio Natural Caraguatá II SC 1.854
094
Área de Proteção Ambiental Estadual Caraíva/Trancoso BA 31.900
095
Reserva Ecológica Federal Caraúba PE 170
096
Estação Ecológica Federal Carijós SC 11.296
097
Parque Estadual Carlos Botelho SP 37.644
098
Reserva Biológica Estadual Carmo da Mata MG 86
099
Área de Proteção Ambiental Federal Carste de Lagoa Santa MG 66.200
100
Área de Proteção Ambiental Estadual Carumbataí/Botucatu/Tejupá SP 642.600
101
Parque Estadual Cataguazes MG 70
102
Área de Proteção Ambiental Federal Cavernas do Peruaçu MG 150.000
103
Parque Estadual Caxambu PR 1.040
104
Floresta Nacional Caxiuanã PA 200.000
105
Reserva Particular do Patrimônio Natural Ceflusme I RJ 19.964
106
Reserva Particular do Patrimônio Natural Chácara Mangueiras GO 5
107
Parque Nacional Chapada Diamantina BA 152.000
108
Área de Proteção Ambiental Estadual Chapada dos Guimarães MT 251.847
109
Parque Nacional Chapada dos Guimarães MT 33.000
110
Parque Nacional Chapada dos Veadeiros GO 65.515
111
Estação Ecológica Estadual Chauás SP 2.670
112
ResEx Reserva Extrativista Federal Chico Mendes AC 970.570
113
ResEx Reserva Extrativista Federal Ciriaco MA 7.050
114
Reserva Particular do Patrimônio Natural Clube de Caça e Pesca Itororó MG 127
115
Reserva Biológica Federal Comboios ES 833
116
Área de Proteção Ambiental Estadual Coroa Vermelha BA 4.100
117
Reserva Biológica Federal Córrego do Veado ES 2.392
118
Reserva Biológica Federal Córrego Grande ES 1.504
119
Parque Florestal Estadual Córrego Maria Flora PR 49
120
Área de Relevante Interesse Ecológico Córregos Taguatinga e Cortado DF 210
121
Parque Estadual Corumbiara RO 585.030
122
Área de Proteção Ambiental Estadual Costa de Itacaré/Serra Grande BA 14.925
123
Parque Estadual Costa do Cacau BA 7.000
124
Floresta Nacional Cubaté AM 416.530
125
Floresta Nacional Cuiari AM 109.518
126
Reserva Ecológica Federal Culuene MT 3.900
127
Estação Ecológica Federal Cuniã RO 104.000
128
Floresta Estadual Curitiba PR 455
129
Parque Estadual Delta do Jacuí RS 17.245
130
Parque Estadual Desengano RJ 22.400
131
Reserva Biológica Estadual Duas Bocas ES 2.910
132
Parque Estadual Dunas de Natal RN 1.170
133
Parque Nacional Emas GO 131.868
134
Reserva Ecológica Federal Engenho São João PE 34
135
Reserva Particular do Patrimônio Natural Engenho Garjaú PB 1.058
136
Parque Florestal Estadual Espigão Alto RS 1.431
137
Área Especialmente Protegida Est.Pesq.e Des.Amb.de Volta Grande MG 390
138
Reserva Particular do Patrimônio Natural Est.Pesq.e Desenv.Amb.de Galheiro MG 2.8970
139
Área Especialmente Protegida Est.Pesq.e Desenv.Ambiental de Peti MG 605
140
Reserva Particular do Patrimônio Natural Estância Santa Inês MS 132
141
Reserva Particular do Patrimônio Natural Estiva MA 116
142
Reserva Extrativista Federal Extremo Norte do Estado de Tocantins TO 9.280
143
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Alegrete PR 153
144
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Almas PB 3.505
145
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Alto da Boa Vista MG 96
146
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda América MS 401
147
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Arco-íris RJ 45
148
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Arruda GO 800
149
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Avaí BA 470
150
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Barra Mansa PR 900
151
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Bom Retiro RJ 472
152
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Boqueirão MS 173
153
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Caetano MG 1.420
154
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Caetano/Lugar Sto. Agostinho MG 1.184
155
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Campo Alegre GO 7.500
156
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Castro SE 700
157
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Catingueiro I MG 50
158
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Catingueiro II MG 40
159
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Conceição ou Colônia GO 50
160
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Coqueiros BA 86
161
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Córrego da Luz RJ 20
162
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Goiabal RJ 1.305
163
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Itacira BA 100
164
Reserva Particular do Patrimônio Natural Faz. João Pereira/Res. Poço Fundo MG 336
165
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Lajeado MS 12.550
166
Reserva Biológica Estadual Fazenda Lapinha MG 370
167
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Macedônia MG 560
168
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Morrinhos BA 725
169
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Nazaré das Lages e Lages AM 52
170
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Olho d’Água do Uruçu CE 2.610
171
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Pacatuba PB 266
172
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Palmeiras GO 2.178
173
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Pé da Serra BA 1.259
174
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Pedra Bonita MG 33
175
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Prainhas BA 150
176
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Roça Grande RJ 63
177
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Rodeio Bonito RS 2.761
178
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Rosa do Sol AL 155
179
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Salobro/Stossel de Brito RN 755
180
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Samoinho MG 12
181
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Santa Clara PB 750
182
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Santa Isabel RJ 525
183
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Santa Isabel do Butuí RS 135
184
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda São Luiz MT 200
185
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda São Pedro BA 50
186
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Singapura MS 456
187
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Trevo MS 27
188
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Vaga Fogo GO 17
189
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Vereda Grande MG 2.994
190
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Voturuna II SP 58
191
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Voturuna III SP 64
192
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Voturuna V SP 56
193
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Arruda GO 800
194
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Campo Alegre GO 7.500
195
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Conceição ou Colônia GO 50
196
Categoria em Estudo Fazenda Curralinho BA 17.000
197
Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado MG 30
198
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Pacatuba PB 266
199
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Palmeiras GO 2.178
200
Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazendinha MS 9.619
201
Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha PE 11.270
202
Parque Florestal Estadual Figueira PR 100
203
Área de Proteção Ambiental Estadual Floresta da Cicuta RJ 1.310
204
Área de Proteção Ambiental Estadual Floresta do Jacarandá RJ 2.700
205
Refúgio de Vida Silvestre Floresta Estadual do Antimari AC 66.168
206
Parque Estadual Fonte Grande ES 218
207
Parque Estadual Fontes do Ipiranga (Água Funda) SP 562
208
Parque Estadual Forno Grande ES 621
209
Área de Relevante Interesse Ecológico Foz do Rio Mamamguape PB 3.045
210
Área de Proteção Ambiental Estadual Foz do R. Preguiça, Pqs. Lençóis
e Rg. Lagoas Adjs. MA
269.680
211
Parque Estadual Furnas do Bom Jesus SP 2.069
212
Reserva Particular do Patrimônio Natural Galheiros MG 2.694
213
Reserva Ecológica Estadual Gama DF 136
214
Parque Estadual Garcia D’Ávila BA 700
215
Área de Proteção Ambiental Estadual Goiapaba-Açu ES 3.740
216
Área de Proteção Ambiental Estadual Goitacazes ES 970
217
Parque Estadual Graciosa PR 1.190
218
Reserva Florestal Estadual Grajaú RJ 55
219
Parque Nacional Grande Sertão Veredas MG 84.000
220
Reserva Particular do Patrimônio Natural Granja Icaraí SP 16
221
Parque Estadual Guajará-Mirim RO 258.810
222
Área de Proteção Ambiental Estadual Guanandy ES 5.242
223
Área de Proteção Ambiental Federal Guapimirim RJ 14.340
224
Reserva Biológica Federal Guaporé RO 600.000
225
Parque Estadual Guaramiranga CE 55
226
Área de Proteção Ambiental Federal Guaraqueçaba PR 314.400
227
Estação Ecológica Federal Guaraqueçaba PR 13.638
228
Reserva Biológica e Arqueológica Guaratiba RJ 2.300
229
Reserva Ecológica Estadual Guará DF 147
230
Reserva Biológica Federal Guaribas PB 4.322
231
Reserva Biológica Federal Gurupi MA 341.650
232
Área de Proteção Ambiental Estadual Haras de São Bernardo SP 35
233
Reserva Ecológica Federal IBGE/RECOR DF 1.360
234
Parque Florestal Estadual Ibicatu PR 74
235
Estação Ecológica Estadual Ibicatu SP 74
236
Parque Florestal Estadual Ibiporã PR 74
237
Área de Proteção Ambiental Federal Ibirabuitã RS 351
238
Floresta Nacional Ibirama SC 570
239
Reserva Biológica Estadual Ibitapuitã RS 351
240
Área de Proteção Ambiental Estadual Ibitinga SP 69.400
241
Parque Estadual Ibitipoca MG 1.488
242
Parque Estadual Ibitiriá RS 415
243
Floresta Nacional Içanã AM 200.561
244
Floresta Nacional Içanã-Aiari AM 491.400
245
Área de Proteção Ambiental Federal Igarapé Gelado PA 21.600
246
Parque Nacional Iguaçu PR 170.086
247
Reserva Ecológica Estadual Iguapé BA 90
248
Parque Estadual Ilha Anchieta SP 828
249
Área de Proteção Ambiental Estadual Ilha Comprida SP 19.375
250
Parque Estadual Ilha das Flores ES 17
251
Área de Relevante Interesse Ecológico Ilha do Ameixal SP 400
252
Parque Estadual Ilha do Cardoso SP 22.500
253
Estação Ecológica Estadual Ilha do Mel PR 25.585
254
Parque Florestal Estadual Ilha dos Frades BA 380
255
Parque Estadual Ilha Grande RJ 5.500
256
Área de Relevante Interesse Ecológico Ilha Queimada Grande SP 23
257
Parque Estadual Ilhabela SP 27.025
258
Área de Proteção Ambiental Estadual Ilhas de Tinharé e Boipeba BA 43.300
259
Área de Relevante Interesse Ecológico Ilhas do Pinheiro e Pinheirinho PR 109
260
Floresta Nacional Inauini-Teuini AM 285.000
261
Parque Estadual Intervales SP 49.000
262
Floresta Nacional Ipanema SP 5.180
263
Estação Ecológica Federal Iquê-Juruena MT 200.000
264
Floresta Nacional Irati PR 3.495
265
Estação Ecológica Federal Itabaiana SE 1.388
266
Estação Ecológica Estadual Itaberá SP 180
267
Parque Estadual Itacolomi MG 7.542
268
Área de Proteção Ambiental Federal Itaipu PR 29.330
269
Estação Ecológica Estadual Itapety SP 90
270
Estação Ecológica Estadual Itapeva SP 107
271
Parque Estadual Itapiracó MA 322
272
Parque Estadual Itapuã RS 5.566
273
Parque Nacional Itatiaia RJ 30.000
274
Parque Estadual Itaúnas ES 3.150
275
Estação Ecológica Estadual Itirapina SP 3.212
276
Reserva Ecológica Estadual Jacarepiá RJ 1.250
277
Parque Estadual Jacupiranga SP 150.000
278
Área de Proteção Ambiental Estadual Jaguaribe PE 212
279
Reserva Ecológica Federal Jaguaribe PE 108
280
Parque Estadual Jaíba MG 6.211
281
Floresta Nacional Jamari RO 215.000
282
Parque Estadual Jaraguá SP 492
283
Estação Ecológica Federal Jari PA 227.126
284
Reserva Biológica Federal Jaru RO 268.150
285
Estação Ecológica Estadual Jataí SP 4.532
286
Parque Nacional Jaú AM 2.272.000
287
Área de Relevante Interesse Ecológico Javari-Buritis AM 15.000
288
Área de Proteção Ambiental Federal Jericoacoara CE 6.800
289
Parque Estadual Joventino Silva BA 70
290
Estação Ecológica Federal Juami-Japurá AM 572.650
291
Reserva Ecológica Federal Juami-Japurá AM 273.238
292
Área de Proteção Ambiental Estadual Jundiaí SP 43.200
293
Parque Estadual Juparaná (São Roque) SP 26.250
294
Parque Estadual Juquery SP 1.927
295
Estação Ecológica Estadual Juréia-Itatins SP 79.830
296
Floresta Nacional Juruena MT 1.800.000
297
Reserva Ecológica Federal Jutaí-Solimões AM 288.188
298
Reserva Ecológica Federal Jutaí-Solimões AM 288.137
299
Área de Proteção Ambiental Estadual Lago Ayapuá AM 610.000
300
Área de Proteção Ambiental Estadual Lago Paranoá DF 16.000
301
Reserva Biológica Federal Lago Piratuba AP 357.000
302
Parque Ecológico Lagoa da Fazenda CE 19
303
Parque Ecológico Lagoa da Jansen MA 150
304
Parque Ecológico Lagoa da Maraponga CE 31
305
Área de Proteção Ambiental Estadual Lagoa de Guanandy ES 5.242
306
Parque Estadual Lagoa de Maraponga CE 19
307
Parque Nacional Lagoa do Peixe RS 34.400
308
Reserva Ecológica Estadual Lagoa do Roteiro AL 742
309
Área de Proteção Ambiental Estadual Lagoa Encantada BA 1.800
310
Reserva Particular do Patrimônio Natural Lagoa Encantada CE 40
311
Reserva Biológica Estadual Lagoa Grande GO ——-
312
Reserva Florestal Estadual Lagoa São Paulo SP 13.343
31
Reserva Ecológica Estadual Lagoas de Mabassu BA 450
314
Área de Proteção Ambiental Estadual Lagoas e Dunas do Abaeté BA 1.800
315
Estação Ecológica Estadual Lajinha MG 370
316
Reserva Extrativista Estadual Laranjeiras RO 30.688
317
Parque Estadual Lauráceas PR 23.863
318
Parque Nacional Lençóis Maranhenses MA 155.000
319
Reserva Particular do Patrimônio Natural Linda Serra dos Topázios GO 497
320
Horto Florestal Estadual Litoral Norte RS 46
321
Área de Proteção Ambiental Estadual Litoral Sul SE ——
322
Floresta Nacional Macauã AC 173.475
323
Reserva de Desenvolvimento Sustentado Mamirauá AM 1.124.000
324
Parque Estadual Mananciais de Campos do Jordão SP 502
325
Área Especialmente Protegida Manancial Cercadinho MG 247
326
Área Especialmente Protegida Manancial do Balsamio MG 190
327
Área Especialmente Protegida Manancial do Barreiro MG 1.406
328
Área Especialmente Protegida Manancial do Catarina MG 480
329
Área Especialmente Protegida Manancial do Fechos MG 1.074
330
Área Especialmente Protegida Manancial do Mutuca MG 1.250
331
Área Especialmente Protegida Manancial do Rola Moça MG 112
332
Área Especialmente Protegida Manancial dos Tabocas MG 49
333
Floresta Estadual Manduri SP 1.458
334
Parque Ecológico Municipal Mangabeiras (Parque da Baleia) MG 337
335
Área de Proteção Ambiental Estadual Mangaratiba RJ 22.936
336
Reserva Particular do Patrimônio Natural Mani RR 110
337
Floresta Nacional Mapiá-Inauini AM 311.000
338
Reserva Biológica Estadual Mar de Espanha MG 188
339
Estação Ecológica Federal Maracá RR 101.312
340
Estação Ecológica Federal Maracá-Jipioca AP 72.000
341
Área de Proteção Ambiental Federal Margem Direita do Rio Negro AM 554.334
342
Área de Proteção Ambiental Federal Margem Esquerda do Rio Negro AM 740.757
343
Área de Proteção Ambiental Estadual Maricá RJ 7.400
344
Reserva Biológica Federal Marinha do Arvoredo SC 17.800
345
Floresta Nacional Mário Xavier RJ 4.930
346
Área de Proteção Ambiental Estadual Marituba do Peixe AL 8.400
347
Reserva Ecológica Estadual Massambaba RJ 1.370
348
Reserva Ecológica Estadual Mata da Jangadinha PE 85
349
Reserva Ecológica Estadual Mata da Usina de São José PE 299
350
Reserva Ecológica Estadual Mata das Duas Lagoas PE 140
351
Parque Estadual Mata das Flores ES 800
352
Reserva Ecológica Estadual Mata de Caetés PE 150
353
Reserva Ecológica Federal Mata de Camaçari PE 223
354
Reserva Ecológica Estadual Mata de Caraúna PE 170
355
Reserva Ecológica Federal Mata de Contra-Açude PE 114
356
Reserva Ecológica Federal Mata de Dois Irmãos PE 388
357
Reserva Ecológica Federal Mata de Dois Unidos PE 32
358
Reserva Ecológica Federal Mata de Duas Lagoas PE 142
359
Reserva Ecológica Federal Mata de Jaguarana PE 324
360
Reserva Ecológica Estadual Mata de Jaguaribe PE 107
361
Reserva Ecológica Federal Mata de Jangadinha PE 76
362
Reserva Ecológica Estadual Mata de Manassu PE 264
363
Reserva Ecológica Federal Mata de Manassu PE 253
364
Reserva Ecológica Federal Mata de Miritiba PE 273
365
Reserva Ecológica Federal Mata de Mussaiba PE 304
366
Reserva Ecológica Estadual Mata de Mussaíba PE 272
367
Reserva Ecológica Estadual Mata de Santa Cruz PE 55
368
Reserva Ecológica Federal Mata de Santa Cruz PE 54
369
Área de Relevante Interesse Ecológico Mata de Santa Genebra SP 251
370
Reserva Ecológica Federal Mata de São Bento PE 109
371
Reserva Ecológica Estadual Mata de São João da Várzea PE 65
372
Reserva Ecológica Estadual Mata de Tapacurá PE 101
373
Reserva Ecológica Federal Mata de Tapacurá PE 95
374
Reserva Biológica Estadual Mata do Acauã MG 5.195
375
Reserva Ecológica Estadual Mata do Amparo PE 172
376
Reserva Ecológica Federal Mata do Amparo PE 172
377
Reserva Ecológica Estadual Mata do Bom Jardim PE 245
378
Reserva Ecológica Federal Mata do Bom Jardim PE 246
379
Área de Preservação Permanente Mata do Buraquinho PB 471
380
Reserva Ecológica Estadual Mata do Camucim PE 40
381
Reserva Ecológica Federal Mata do Camucim PE 37
382
Reserva Ecológica Estadual Mata do Contra-Açude PE 115
383
Reserva Ecológica Federal Mata do Engenho Moreninho PE 66
384
Reserva Ecológica Federal Mata do Engenho Salgadinho PE 257
385
Reserva Ecológica Federal Mata do Engenho Tapacurá PE 334
386
Reserva Ecológica Estadual Mata do Engenho Macaxeira PE 61
387
Reserva Ecológica Federal Mata do Engenho Macaxeira PE 61
388
Reserva Ecológica Estadual Mata do Engenho Salgadinho PE 257
389
Reserva Ecológica Estadual Mata do Engenho São João PE 34
390
Reserva Ecológica Federal Mata do Engenho Uchôa PE 20
391
Reserva Ecológica Estadual Mata do Engenho Uchôa PE 20
392
Reserva Biológica Estadual Mata do Jambreiro MG 912
393
Reserva Ecológica Federal Mata do Janga PE 133
394
Reserva Ecológica Estadual Mata do Jardim Botânico PE 11
395
Reserva Ecológica Federal Mata do Jardim Botânico PE 11
396
Reserva Ecológica Estadual Mata do Quizanga PE 460
397
Reserva Ecológica Federal Mata do Rio Vermelho PB 1.660
398
Reserva Ecológica Estadual Mata do Urucu PE 1.050
399
Reserva Ecológica Estadual Mata do Zumbi PE 580
400
Reserva Biológica Estadual Mata dos Ausentes MG 282
401
Reserva Ecológica Estadual Mata dos Caetés PE 150
402
Parque Estadual Mata dos Godoy PR 676
403
Reserva Extrativista Federal Mata Grande MA 10.450
404
Reserva Ecológica Federal Mata Lanço dos Cações PE 100
405
Reserva Particular do Patrimônio Natural Mata Monlevade MG 518
406
Reserva Ecológica Federal Mata Serra do Cotovelo PE 977
407
Reserva Ecológica Estadual Mata Serra do Cumaru PE 724
408
Área de Relevante Interesse Ecológico Matão de Cosmópolis SP 173
409
Reserva Ecológica Estadual Matas da Serra do Cotovelo PE 978
410
Reserva Ecológica Estadual Matas de São Bento PE 110
411
Reserva Ecológica Estadual Matas do Curado PE 203
412
Reserva Ecológica Estadual Matas do Outeiro do Pedro PE 51
413
Reserva Ecológica Estadual Matas do Sistema Gurjaú PE 2.439
414
Área de Proteção Ambiental Estadual Médio Purus-Lago Ayapuã AM 610.000
415
Reserva Particular do Patrimônio Natural Mercês, Sabiaguaba, Nazário CE 50
416
Área de Proteção Ambiental Estadual Mestre Álvaro ES 2.461
417
Reserva Ecológica Estadual Metropolitana do Pituaçu BA 660
418
Parque Estadual Mirador MA 700.000
419
Estação Ecológica Estadual Mogi-Guaçu SP 980
420
Reserva Biológica Estadual Mogi-Guaçu SP 470
421
Parque Estadual Monge PR 362
422
Parque Nacional Monte Pascoal BA 22.500
423
Parque Nacional Monte Roraima RR 116.000
424
Área de Proteção Ambiental Federal Morro da Pedreira MG 66.200
425
Parque Estadual Morro do Chapéu BA 6.000
426
Parque Estadual Morro do Chapéu BA 15.000
427
Parque Estadual Morro do Diabo SP 344.441
428
Área de Proteção Ambiental Estadual Morro do Urubu SE 213
429
Reserva Biológica Estadual Morro dos Seis Lagos AM 36.900
430
Reserva Florestal Estadual Morro Grande SP 10.700
431
Reserva Particular do Patrimônio Natural Nadir Júnior PA 2.000
432
Área de Proteção Ambiental Estadual Nhamundá AM 195.900
433
Parque Estadual Nhamundá AM 28.370
434
Estação Ecológica Federal Niquiá RR 286.600
435
Parque Estadual Nonoai RS 17.498
436
Reserva Biológica Estadual Nova Baden MG 353
437
Reserva Particular do Patrimônio Natural Olho D’Água do Uruçu CE 2.610
438
Reserva Ecológica Federal Outeiro do Pedro PE 49
439
Parque Nacional Pacaás Novos RO 764.800
440
Reserva Particular do Patrimônio Natural Palmital SC 590
441
Reserva Biológica Federal Pantanal Arenoso MS 600
442
Parque Nacional Pantanal Matogrossense MT 135.000
443
Reserva Ecológica Estadual Paraíso RJ 4.920
444
Floresta Estadual Paranapanema SP 1.542
445
Estação Ecológica Estadual Paranapanema SP 635
446
Área de Relevante Interesse Ecológico Paranoá Sul DF 144
447
Reserva Biológica Estadual Paraúna GO 2.812
448
Reserva Biológica Estadual Parazinho AP 111
449
Parque Estadual Marinho Parcel Manuel Luís MA 45.237
450
Floresta Nacional Pari Cachoeira I AM 18.000
451
Floresta Nacional Pari Cachoeira II AM 654.000
452
Área de Proteção Ambiental Estadual Parintins/Nhamundá AM 195.900
453
Parque Estadual Pariquera Abaixo SP 2.359
454
Parque Municipal Parque Ambiental Chico Mendes AC 52
455
Parque Estadual Parque Botânico CE 190
456
Reserva Ecológica Estadual Parque dos Poderes MS 140
457
Reserva Particular do Patrimônio Natural Parque Ecológico ARTEX SC 5.269
458
Parque Ecológico Municipal Parque Ecológico Barra Velha CE 1.180
459
Área de Proteção Ambiental Federal Parque Zoobotânico AC 100
460
Floresta Estadual Passa Dois PR 276
461
Floresta Nacional Passa Quatro MG 335
462
Floresta Nacional Passo Fundo RS 1.328
463
Reserva Ecológica Estadual Pau-Ferro PB 600
464
Parque Estadual Paulo César Vinha ES 1.500
465
Estação Ecológica Estadual Paulo de Faria SP 436
466
Área de Proteção Ambiental Estadual Pé da Serra Azul MT 7.980
467
Parque Estadual Pedra Azul ES 1.240
468
Parque Estadual Pedra Branca RJ 12.398
469
Área de Relevante Interesse Ecológico Pedra Branca SP 636
470
Reserva Particular do Patrimônio Natural Pedra dos AmarIlis RJ 40
471
Reserva Biológica Federal Pedra Talhada PE 4.470
472
Área de Proteção Ambiental Federal Penedo de S. Pedro e S. Paulo,
Rocas e Fernando de Noronha PE
2.700
473
Área de Proteção Ambiental Federal Petrópolis RJ 59.050
174
Área de Proteção Ambiental Estadual Piaçabuçu AL 8.600
475
Parque Nacional Pico da Neblina AM 2.200.000
476
Área de Proteção Ambiental Estadual Pico do Goiapaba-Açu ES 3.740
477
Parque Estadual Pico do Marumbi PR 1.958
478
Reserva Biológica Estadual Pindorama SP 538
479
Parque Florestal Estadual Pinhão PR 197
480
Floresta Nacional Piraiauara AM 631.436
481
Estação Ecológica Federal Piraí RJ 4.000
482
Floresta Estadual Piraju SP 680
483
ResEx Reserva Extrativista Federal Pirajubaé SC 1.444
484
Estação Ecológica Federal Pirapitinga MG 1.090
485
Parque Estadual Pirineus GO ——
486
Reserva Biológica Federal Poço das Antas RJ 5.000
487
Área de Proteção Ambiental Estadual Ponta da Baleia/Abrolhos BA 34.600
488
Parque Estadual Ponta do Cabo Branco PB 379
489
Parque Estadual Porto Ferreira SP 611
490
Área Especialmente Protegida Posto de Fomento Florestalde
Palmares PI
170
491
Reserva Biológica Estadual Praia do Sul RJ 3.600
492
Área de Proteção Ambiental Estadual Praia Mole ES 347
493
Área de Proteção Ambiental Estadual Presid. Figueiredo-Cav. do Maroaga AM 256.200
494
Área de Relevante Interesse Ecológico Projeto Dinâmica Biológica de
Fragmentos Florestais AM
3.288
495
Floresta Nacional Purus AM 256.000
496
Reserva Extrativista Federal Quilombo do Flexal MA 9.542
497
Reserva Ecológica Federal Raso da Catarina BA 99.772
498
Área de Proteção Ambiental Estadual Reentrâncias Maranhenses MA 2.680.911
499
APA Região de Maracanã MA 1.831
500
Área Especialmente Protegida Reservatório Rio Manso MG 9.000
501
Área Especialmente Protegida Reservatório Serra Azul MG 3.200
502
Estação Ecológica Estadual Ribeirão Preto SP 154
503
Floresta Estadual Rio Abunã RO 62.219
504
Estação Ecológica Federal Rio Acre AC 77.500
505
Área de Proteção Ambiental Estadual Rio Beberibe PE ——-
506
ResEx Reserva Extrativista Federal Rio Cajari AP 481.650
507
Área de Proteção Ambiental Estadual Rio Capibaribe PE ——
508
Parque Estadual Rio Capivara BA ——
509
Área de Proteção Ambiental Estadual Rio Carro Quebrado PE 402
510
Parque Estadual Rio Cocó CE 379
511
Parque Florestal Estadual Rio da Onça PR 119
512
Floresta Estadual Rio do Mequéns RO 425.844
513
Parque Estadual Rio Doce MG 36.114
514
Área de Proteção Ambiental Estadual Rio Formoso PE 2.724
515
Área de Proteção Ambiental Estadual Rio Iguaribe PE 212
515
Área de Proteção Ambiental Estadual Rio Itapessoca PE 3.998
516
Área de Proteção Ambiental Estadual Rio Jaguaribe PE 212
517
Floresta Estadual Rio Machado RO 175.781
518
Área de Proteção Ambiental Estadual Rio Madeira RO 6.741
519
Floresta Estadual Rio Madeira (A) RO 63.813
520
Floresta Estadual Rio Madeira (B) RO 30.000
521
Parque Estadual Rio Negro AM 436.042
522
Reserva Biológica Estadual Rio Ouro Preto RO 46.438
523
ResEx Reserva Extrativista Federal Rio Ouro Preto RO 204.583
524
Reserva Extrativista Estadual Rio Pacaás Novos RO 353.290
525
Área de Proteção Ambiental Estadual Rio Paratibe PE ——
526
Floresta Nacional Rio Preto ES 2.830
527
Reserva Extrativista Estadual Rio Preto/Jacundá RO 1.055.000
528
Floresta Estadual Rio Roosevelt RO 27.860
529
Floresta Estadual Rio São Domingos RO 267.375
530
Área de Proteção Ambiental Estadual Rio Timbó PE 1.397
531
Reserva Biológica Federal Rio Trombetas PA 385.000
532
Área de Proteção Ambiental Estadual Rio Una PE 553
533
Parque Florestal Estadual Rio Vermelho SC 1.100
534
Floresta Estadual Rio Vermelho (A) RO 38.688
535
Floresta Estadual Rio Vermelho (B) RO 152.000
536
Floresta Estadual Rio Vermelho (C) RO 20.215
537
Floresta Estadual Rio Vermelho (D) RO 137.843
538
Área de Proteção Ambiental Estadual Rios Beberibe e Capiberibe PE ——
539
Área de Proteção Ambiental Estadual Rios Goiana e Megaó PE 4.776
540
Área de Proteção Ambiental Estadual Rios Jaboatão e Pirapema PE 1.285
541
Área de Proteção Ambiental Estadual Rios Piracicaba e Juqueri-Mirim SP 390.000
542
Área de Proteção Ambiental Estadual Rios Sirinhaém e Maracaípe PE 3.335
543
Parque Florestal Estadual Rondinha RS 1.000
544
Floresta Nacional Roraima RR 2.664.685
545
Reserva Biológica Federal Saltinho PE 548
456
Reserva Particular do Patrimônio Natural Salto Morato PR 1.716
457
Estação Ecológica Estadual Samuel RO 69.015
548
Estação Ecológica Estadual Santa Bárbara SP 2.712
549
Reserva Biológica Federal Santa Isabel SE 2.766
550
Estação Ecológica Estadual Santa Maria SP 113
551
Reserva Biológica Estadual Santa Rita MG 604
552
Área de Proteção Ambiental Estadual Santa Rita AL 8.000
553
Área de Proteção Ambiental Estadual Santo Antônio BA 2.300
554
Área de Relevante Interesse Ecológico Santuário de Vida Silvestre
do Riacho Fundo DF
400
555
Reserva Particular do Patrimônio Natural Santuário do Caraça MG 10.187
556
Reserva Biológica Estadual São Camilo PR 385
557
Estação Ecológica Estadual São Carlos SP 75
558
Floresta Nacional São Francisco de Paula RS 1.140
559
Área de Proteção Ambiental Estadual São Geraldo do Araguaia PA 29.655
560
Parque Nacional São Joaquim SC 49.300
561
Reserva Biológica Estadual São Mateus MG 377
562
Floresta Nacional Saracá-Taquera PA 429.600
563
Reserva Biológica Estadual Sassafrás SC 5.460
564
Reserva Ecológica Federal Sauim-Castanheira AM 109
565
Reserva Biológica Estadual Scharlau RS 50
566
Estação Ecológica Federal Seridó RN 1.166
567
Reserva Particular do Patrimônio Natural Seringal Iucatã I PA 500.000
568
Reserva Particular do Patrimônio Natural Seringal Novo Destino AM 104.000
569
Parque Natural Municipal Seringueiro AC 44
570
Parque Estadual Serra Azul MT 11.000
571
Parque Nacional Serra da Bocaina SP 110.000
572
Parque Nacional Serra da Canastra MG 71.525
573
Parque Nacional Serra da Capivara PI 129.140
574
Área de Proteção Ambiental Federal Serra da Mantiqueira MG 402.517
575
Área de Proteção Ambiental Federal Serra da Tabatinga TO 61.000
576
Categoria em Estudo Serra da Várzea Comprida BA 3.365
577
Estação Ecológica Federal Serra das Araras MT 28.700
578
Área de Proteção Ambiental Estadual Serra de Baturité CE 32.690
579
Parque Estadual Serra de Caldas Novas GO 12.315
580
Floresta Municipal Serra de Maranguape CE 9.180
581
Reserva Biológica Estadual Serra de Paranapiacaba SP 336
582
Parque Estadual Serra do Araçá AM 1.818.700
583
Parque Estadual Serra do Brigadeiro MG 32.500
584
Reserva Biológica Estadual Serra do Cachimbo PA 90.265
585
Parque Estadual Serra do Cachimbo PA 322.000
586
Área de Proteção Ambiental Estadual Serra do Cachimbo PA 133.949
587
Parque Nacional Serra do Cipó MG 33.800
588
Parque Estadual Serra do Conduru BA 7.000
589
Parque Nacional Serra do Divisor AC 605.000
590
Área de Proteção Ambiental Estadual Serra do Lajeado TO 168.000
591
Reserva Ecológica Estadual Serra do Lajeado TO 300
592
Área de Proteção Ambiental Estadual Serra do Mar SP 548.100
593
Parque Estadual Serra do Mar ( *com 6 Núcleos) SP 315.000
594
Parque Estadual Serra do Tabuleiro SC 87.405
595
Parque Estadual Serra dos Martírios/Andorinhas PA 24.897
596
Parque Nacional Serra dos Órgãos RJ 11.460
597
Parque Estadual Serra dos Parecis RO 38.950
598
Parque Estadual Serra dos Pirineus GO 2.500
599
Parque Estadual Serra dos Reis RO 42.286
600
Estação Ecológica Estadual Serra dos Três Irmãos RO 99.813
601
Floresta Nacional Serra Dourada GO 144
602
Parque Estadual Serra Furada SC 1.330
603
Reserva Biológica Estadual Serra Geral RS 1.700
604
Parque Nacional Serra Geral RS 17.300
605
Reserva Biológica Federal Serra Negra PE 1.100
606
Reserva Biológica Estadual Sertãozinho SP 720
607
Parque Nacional Sete Cidades PI 6.221
608
Área de Proteção Ambiental Estadual Silveiras SP 42.700
609
Área de Proteção Ambiental Municipal Silves AM ——
610
Reserva Particular do Patrimônio Natural Sítio Ameixas/Poço Velho CE 464
611
Reserva Particular do Patrimônio Natural Sítio Laranjal/Barranco Solto SP 42
612
Reserva Particular do Patrimônio Natural Sítio Mercês Sabiaquara/Nazário CE 50
613
Reserva Particular do Patrimônio Natural Sítio Sibiúna SP 50
614
Reserva Particular do Patrimônio Natural Sítios Angaba e Poranga RJ 29
615
Reserva Biológica Federal Sooretama ES 24.250
616
Parque Estadual Sumidouro MG 1.300
617
Parque Nacional Superagüi PR 21.400
618
Estação Ecológica Federal Taiamã MT 14.325
619
Estação Ecológica Federal Taim RS 10.764
620
Parque Estadual Tainhas RS 4.925
621
Estação Ecológica Federal Tamoios RJ 4.070
622
Estação Ecológica Federal Tapacurá PE 776
623
Floresta Nacional Tapajós PA 631.310
624
Reserva Biológica Federal Tapirapé PA 103.000
625
Floresta Nacional Tapirapé-Aquiri PA 190.000
626
Floresta Nacional Taracuá I AM 647.744
627
Floresta Nacional Taracuá II AM 559.504
628
Área de Proteção Ambiental Municipal Tatajuba CE 3.755
629
Floresta Nacional Tefé AM 1.020.000
630
Parque Estadual Terra Ronca GO 14.493
631
Reserva Particular do Patrimônio Natural Texas Hotel Fazenda Clube GO 20
632
Parque Nacional Tijuca RJ 3.300
633
Parque Ecológico Timbaúbas CE ——
634
Reserva Biológica Federal Tinguá RJ 26.000
635
Parque Estadual Torres/Guarita RS 1.540
636
Reserva Biológica Estadual Traçadal RO 22.540
637
Floresta Nacional Três Barras SC 4.447
638
Área de Proteção Ambiental Estadual Três Ilhas ES 12.690
639
Estação Ecológica Estadual Tripuí MG 497
640
Estação Ecológica Federal Tupinambás SP 28
641
Estação Ecológica Federal Tupiniquins SP 43
642
Parque Florestal Estadual Turvo RS 17.491
643
Reserva Biológica Federal Uatumã AM 560.000
644
Parque Nacional Ubajara CE 563
645
Reserva Biológica Federal Una BA 7.059
646
Área de Proteção Ambiental Estadual Upaon-Açu, Miritiba, Alto Preg. MA 1.535.310
647
Floresta Nacional Urucu AM 1.020.000
648
Estação Ecológica Federal Uruçuí-Una PI 135.000
649
Reserva Ecológica Federal Usina de São José PE 323
650
Parque Estadual Vale do Rio Cocó CE 375
651
Estação Ecológica Estadual Valinhos SP 17
652
Parque Estadual Vassununga SP 832
653
Reserva Particular do Patrimônio Natural Vera Cruz AL 115
654
Reserva Biológica Estadual Vila Fachini SP 70
655
Parque Florestal Estadual Vila Rica Rubens Augusto de Andrade PR 354
656
Reserva Florestal Estadual Wenceslau Guimarães BA 1.500
657
Floresta Nacional Xapecó SC 1.686
658
Floresta Nacional Xié AM 407.935
659
Estação Ecológica Estadual Xituê SP 3.794
660
Parque Estadual Xixová-Japuí SP 900



Dieser Liste fehlen einige kleine Gebiete und weitere neue Gebiete.

Quelle:
Os corredores ecológicos das florestas tropicais do Brasil / José Márcio Ayres…
Sociedade Civil Mamirauá, 2005

ResEx Region Itacaré bis Canavieiras

Sunday, December 21st, 2008

Was wird in der Regiom Itacaré bis Canavieiras gemacht?



Links:


Beschreibung der Sub-Region:
Sub-região nuclear do eixo APAE Costa de Itacaré/Serra Grande –
Estação Experimental Canavieiras

A área é um importante centro, em nível mundial, de diversidade de espécies de vários
grupos taxonômicos, como os primatas, répteis, formigas e uma variedade de outras
plantas e animais. Em inventário biológicos recentes, botânicos da Ceplac e do New York
Botanical Garden obtiveram um dos maiores registros em termos de número de espécies
de árvores por hectare (cerca de 450), incluindo 15 espécies novas para a ciência em uma
única área amostral. O Parque Estadual da Serra do Conduru e a Reserva Biológica de Una
são as unidades de conservação oficiais e mais importantes na região, totalizando 14.000
ha de hábitat protegido.

A cultura cacaueira, atividade predominante na região, tem contribuído historicamente
para a manutenção dos maiores remanescentes florestais da Mata Atlântica da região
nordeste. Os cacauicultores sempre conservaram áreas de mata em suas propriedades
como reserva de madeira que é utilizada na secagem do cacau, além de manterem áreas de
mata que serviriam para o estabelecimento de futuras plantações. Parte da floresta também
era protegida através do sistema tradicional de plantio do cacau – as cabrucas. Neste
sistema, o cacau é plantado nas áreas de mata, que proporcionam o sombreamento necessário
ao cultivo. Essa prática permitiu a manutenção de uma cobertura florestal considerável
nesse eixo, formando corredores florestais importantes para a possibilidade de circulação
de indivíduos ou propágulos das espécies da fauna e flora entre os remanescentes.
Entretanto, a exploração madeireira e o colapso nos preços do cacau, fizeram com que
os produtores reduzissem as porções de matas em suas propriedades, em busca de rápida
capitalização. O desmatamento nos hábitats adjacentes às áreas protegidas tem ameaçado
deixar as unidades isoladas e comprometidas em sua capacidade de manter populações
viáveis da fauna e flora local.

apaeitaccageschflaechen

Stand 2003

Eixo APAE Costa de Itacaré/Serra Grande – Estação Experimental Canavieiras

Será essencial o apoio do projeto para as fases que agora se iniciam na direção da
efetiva implantação do Parque Estadual da Serra do Conduru, criado por decreto em
fevereiro de 1997. Além disso, o projeto irá estimular projetos modelo na área de ecoturismo,
particularmente através de treinamento de profissionais e fomento a iniciativas-piloto
nessa região. Será ainda relevante a realização de diagnósticos socioeconômicos regionais,
inventários biológicos das principais lacunas de conhecimento, o estímulo à criação
de RPPNs, a implementação de planos de manejo das APAs estaduais já criadas, além da
produção regular de mapas de cobertura florestal e da localização dos principais fragmentos,
com vistas a orientar os trabalhos de incremento de conectividade desse núcleo.



Geschuetzte Gebiete in Bahia uns Espirito Santo

Corredor Ecológico Central da Mata Atlântica (BA, ES e MG). Sub-Regiões

No Unidades Área (ha)
Àrea APAE

Sub-região 1 e 1a - rio Jequiriçá até o rio Jequitinhonha
1 APAE Área de Proteção Ambiental Est. Cachoeira de Pancada Grande 50
2 APAE Área de Proteção Ambiental Estadual Candengo 7.000
3 APAE Área de Proteção Ambiental Est. Costa de Itacaré/Serra Grande 14.925
4 Área de Proteção Ambiental Estadual Lagoa Encantada 1.800
5 Reserva Biológica Federal de Una 7.059
6 Reserva Florestal Estadual de Wenceslau Guimarães 1.200
7 Área de Proteção Amb. Est. das Ilhas de Tinharé e Boipeba 43.300
Subtotal (Sub Region) SR1: 75.334
Sub-região 2 - rio Jequitinhonha até o rio Mucuri
8 Área de Proteção Ambiental Estadual Caraíva/Trancoso 31.900
9 Área de Proteção Ambiental Estadual Coroa Vermelha 4.100
10 Área de Proteção Ambiental Estadual Santo Antônio 2.300
11 Parque Nacional de Monte Pascoal 13.500
12 Reserva Particular do Patrimônio Natural Faz. Avaí 469
Subtotal SR2: 52.269
Sub-região 3 - rio Mucuri até o rio Doce
13 Floresta Nacional Rio Preto, ES
2.830
14 Parque Estadual de Itaúnas ES 3.000
15 Reserva Biológica Federal Córrego do Veado ES 2.392
16 Reserva Biológica Federal Córrego Grande ES 1.504
17 Reserva Biológica Federal Sooretama ES 24.000
Subtotal SR3: 33.726
Sub-região 4 - ao sul do rio Doce
18 Área de Proteção Ambiental Estadual Lagoa do Guanandy ES 5.242
19 Área de Proteção Ambiental Estadual Pico do Goiapaba-Açu ES 3.740
20 Área de Proteção Ambiental Estadual Praia Mole ES 400
21 Área de Proteção Ambiental Estadual Três Ilhas ES 12.960
22 Parque Estadual Cachoeira da Fumaça ES 27
23 Parque Estadual da Pedra Azul ES 1.200
24 Parque Estadual do Forno Grande ES 659
25 Parque Estadual Fonte Grande ES 220
26 Parque Estadual Ilha da Flores ES 17
27 Parque Estadual Mata das Flores ES 800
28 Parque Estadual Paulo César Vinha ES 1.500
29 Reserva Biológica Estadual de Duas Bocas ES 2.910
30 Reserva Biológica Estadual Mestre Álvaro ES 3.470
31 Reserva Biológica Federal Augusto Ruschi (Nova Lombardia) ES 4.000
32 Reserva Biológica Federal Comboios ES 833
33 Parque Nacional do Caparaó MG/ES 26.000
Subtotal SR4:  63.978
Sub-região 5 - Abrolhos
35 Área de Proteção Ambiental Estadual Ponta da Baleia/Abrolhos BA 34.600
36 Parque Nacional Marinho de Abrolhos BA 91.300
Subtotal SR5: 125.900
Sub-região 1 e 1a - rio Jequiriçá até o rio Jequitinhonha
37 Estação Experimental Lemos Maia (Ceplac) BA 170
38 Estação Experimental Canavieiras (Ceplac) BA 500
39 Estação Experimental Djalma Bahia (Ceplac) BA 145
40 Estação Experimental Gregório Bondar (Ceplac) BA 350
Subtotal SR1 e 1a:  1.165
Sub-região 2 - rio Jequitinhonha até o rio Mucuri
41 Estação Experimental Pau-Brasil (Ceplac) BA 1.145
42 Estação Vera Cruz (Vera Cruz Florestal) BA 6.069
Subtotal SR2:  7.214
Sub-região 3 - rio Mucuri até o rio Doce
43 Estação de Biologia Marinha da Aracruz Celulose ES 35
44 Reserva Natural da Vale do Rio Doce/Linhares (CVRD) ES 21.787
Subtotal SR3:  21.822
Sub-região 4 - ao sul do rio Doce
45 Estação Biológica de Santa Lúcia (MBML/IBPC) ES 400
46 Estação Biológica de São Lourenço (MBML/IBPC) ES 22
47 Reserva Florestal da Faz. Montes Verdes (Aoki Empreend.) ES 1.500
48 Reserva Particular do Patrimônio Natural Morroda Vargem (Com. Soto Zen Shu) ES 100
Subtotal SR4:  2.022
TOTAL:
383.430
Áreas indígenas
1 Faz. Bahiana (Nova Vida) BA 308
2 Paraguassu/Caramuru BA 36.000
3 Águas Belas BA 1.200
4 Barra Velha BA 8.627
5 Coroa Vermelha (litoral) BA 77
6 Coroa Vermelha (mata) BA 1.450
7 Imbiriba BA 398
8 Mata Medonha BA 421
9 Maxacali MG 2.413
10 Maxacali/Unificação MG 1.864
11 Pradinho MG 1.029
12 Caieiras Velha ES 1.519
13 Comboios ES 2.546
14 Krenak MG 3.983
15 Pau-Brasil ES 427
Subtotal:  62.262
Áreas indígenas não-oficiais
16 Olivença BA
17 Trevo do Parque BA
TOTAL GERAL:  445.692


Karte der Geschuetzten Gebiete APAE Mata Atlantica.

apaekartebaes

Weitere Karten finden Sie hier

APAE, Área proteção Ambiental

Sunday, December 21st, 2008

Naturschutz Brasilien, wo stehen wir?



Links:


INTRODUÇÃO

Segundo a Comissão Mundial de Áreas Protegidas (1998), a Terra conta com mais de 30 mil áreas de proteção da diversidade biológica, contudo em nível mundial apenas 6% da superfície terrestre está protegida legalmente, sendo que 94% encontram-se desprotegidas e vulneráveis aos intensos processos de degradação decorrentes das ações da sociedade. De acordo com o IV Congresso de Áreas Protegidas (Caracas, 1992), o percentual exigido é de que no mínimo 10% de um determinado território sejam destinados à  proteção ambiental e desenvolvimento sustentável. Sendo assim, o percentual mundial está fora dos padrões ideais de proteção.

Segundo WWF (1998), o Brasil detinha apenas 8,13% de área protegida, pois somente alertou para a necessidade da criação de Unidades de conservação  (UCs) no final do século passado. No entanto, hoje somam-se mais de 1500 UCs, apesar da maioria ainda não ter atingido plenamente os objetivos que motivaram sua criação. O estado da Paraíba totaliza 24 UCs, distribuídas em unidades geoambientais diferenciadas mas não chegam a ocupar 1% da área estadual. sendo 11 federais, 12 estaduais e 01 municipal. As Unidades são de difícil acesso, não dispondo de recursos humanos o suficiente para o desenvolvimento de suas potencialidades e das atividades que envolvem práticas de preservação.

A pesquisa objetiva levantar e  analisar as potencialidades naturais das UCs da Paraíba para sugerir ações de planejamento ambiental que possam contribuir para o real conservacionismo.

PARQUES E RESERVAS NO BRASIL

De acordo com a Lei nº 9.985 de 12 de Julho de 2000, as áreas protegidas do território nacional, são denominadas de UCs – Unidades de Conservação, e são implementadas pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação  (SNUC). Tais áreas são “espaços territoriais e seus componentes, incluindo águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, sob domínio público ou privado, legalmente instituído pelo poder público, com objetivos definidos, sob regimes especiais de administração, aos quais se aplicam garantias adequadas de conservação” (Lei nº 9985 de 12/07/2000). Cabe ao SNUC estabelecer  os critérios e as normas para a criação, implantação e gestão das Unidades de Conservação, cujos objetivos são: Proteger as espécies ameaçadas de extinção no âmbito regional e nacional, contribuir para a preservação e a restauração da diversidade de ecossistemas naturais, proteger paisagens naturais pouco alteradas de notável beleza cênica, proteger as características relevantes de natureza: geológica, geomorfológica, espeleológica, arqueológica, paleontológica e cultural; proporcionar meios e incentivos para atividades de pesquisa científica, estudos e monitoramento ambiental.(LEI nº9.985 de 12 de julho de 2000, Cap.  II Artigos  3º e 4º, Incisos II, III, IV, VII e X ).

As (UCs) brasileiras são áreas destinadas à proteção da diversidade biológica, pesquisa científica e extensão dos resultados dessas pesquisas. Entretanto constata-se a triste realidade de que, em muitos casos, as unidades que foram criadas para proteger o habitat natural de milhares de espécies, estão sendo utilizadas como fonte de enriquecimento ilícito, como é o caso da nossa Amazônia, que sofre com a corrupção de agentes que deveriam se dedicar à proteção dessas áreas, mas que se corrompem facilmente. Segundo o GREENPEACE (2003), 19.000 Km² do país são destruídos todos os dias e são comercializados por extrativistas de países desenvolvidos. Os órgãos responsáveis pelos assuntos relacionados ao meio ambiente em nosso país são o CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) e o MMA (Ministério do meio ambiente). Os órgãos  executores  são  o IBAMA  (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais renováveis) e seus órgãos estaduais. Na Paraíba, o órgão responsável é a SUDEMA (Superintendência do Desenvolvimento do Meio Ambiente). Em nível federal e estadual, respectivamente, esses órgãos têm a função de implementar e fiscalizar a implantação das unidades de conservação, juntamente com as Secretarias Municipais do Meio Ambiente. A estes cabe a função de implementar o SNUC, subsidiar as propostas de criação e administrar as UCs federais, estaduais e municipais.

Internationale Zusammenarbeit ResEx

Sunday, December 21st, 2008



Links:


A Cooperação Internacional no Contexto do Programa Piloto

Como dito anteriormente, o Programa Piloto recebe financiamento dos países integrantes do ex-Grupo dos Sete, da União Européia e dos Países Baixos, com contribuições crescentes do governo brasileiro, dos governos estaduais e de organizações da sociedade civil. Entre os doadores, o Reino Unido, a União Européia e, principalmente, a República Federal da Alemanha são os que prestam maior apoio técnico e financeiro. O Banco Mundial administra o Fundo Fiduciário de Florestas Tropicais – RFT, e supervisiona o Programa como um todo. Este capítulo é um espaço reservado aos doadores para que apresentem sua visão sobre os resultados, êxitos e dificuldades encontrados na parceria materializada no Programa Piloto nesses 12 anos. Banco Mundial

A visão de um parceiro de primeira hora

O Banco Mundial tem participado como parceiro do Programa Piloto desde o estabelecimento
do seu conceito inicial pelo governo brasileiro e pelos países do G7, em 1990. Com o objetivo inicial de otimizar a assistência financeira e técnica em desenvolvimento sustentável oferecida à região Amazônica pelas diferentes agências bilaterais e multilaterais que apóiam o Programa foi instituído, em 1992, o RFT, um mecanismo inovador voltado ao co-financiamento dos projetos e subprogramas do Programa Piloto, inclusive na Mata Atlântica. O RFT, bem como toda a coordenação do conjunto de doadores que apóiam o Programa, é administrado pela Unidade de Florestas Tropicais – RFU,2 do Banco Mundial.

A realização do Seminário de Santarém representa uma oportunidade de debate sobre o futuro do Programa Piloto e o papel do Banco Mundial na Amazônia. Este, que se tornou o maior programa mundial de cooperação multilateral para a proteção das florestas tropicais, situa-se hoje em um cenário cujas condições políticas e institucionais são bem diferentes da época de seu lançamento, em 1992, durante a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento. As instituições e os órgãos públicos envolvidos na proteção das florestas estão mais fortes na esfera federal, nos estados e nos municípios amazônicos. Os investimentos já somam cerca de 420 milhões de dólares. O Programa Piloto obteve importantes êxitos. Novas bases políticas e redes de organizações da sociedade civil também foram integradas ao mesmo. Conectando atualmente cerca de 850 organizações não-governamentais, redes de Ongs na Amazônia e na Mata Atlântica tica receberam apoio e agora estão mais organizadas e dotadas de maior capacidade de captar recursos. Os principais centros de pesquisas da Amazônia também foram modernizados. Já é possível contar com novas formas de monitoramento, mediante sensoriamento remoto, para acompanhar a dinâmica do desmatamento das florestas na Amazônia. Atualmente, existe melhor capacidade para a gestão ambiental e o manejo dos recursos naturais nos próprios estados da região. Da mesma forma, o Programa lançou uma abordagem regional inovadora e participativa para a conservação de biodiversidade com o conceito de corredores ecológicos, que vêm sendo implantados na Amazônia e na Mata Atlântica.

Destacam-se entre outros resultados positivos alcançados pelo Programa Piloto: a demarcação
de mais de 460.000 km2 de terras indígenas, uma área superior à soma dos territórios da Alemanha, Suíça e Países Baixos; as lições aprendidas com o financiamento de mais de 200 projetos demonstrativos comunitários na Amazônia e na Mata Atlântica; o treinamento de milhares de líderes comunitários na Amazônia na prevenção e no controle de incêndios.

O Programa Piloto lançou as bases para políticas federais e estaduais mais amplas, abrangentes e eficazes visando à conservação e ao uso sustentável da floresta. No entanto, é preciso rever certas expectativas em relação ao impacto desejado, especialmente aquelas relativas à sua capacidade de deter ou diminuir o desmatamento na Amazônia e a perda dos remanescentes da Mata Atlântica. Mas a análise da experiência demonstra que as forças mais importantes por trás do desmatamento têm uma dinâmica própria e poderosa, que ainda não foi adequadamente tratada.

O Programa já fez e pode continuar fazendo muita diferença, mas tem crescente necessidade de parcerias mais fortes para enfrentar novos desafios. É importante também reconhecer
que as suas atividades necessitam tempo para serem totalmente implementadas e que os seus resultados visam o longo prazo. Após mais de dez anos de Programa é recomendável renovar a visão compartilhada entre os participantes com o objetivo de fortalecer as relações de parceria e esboçar uma estratégia para o futuro ou de ‘novas fases’ do Programa Piloto para a Amazônia e a Mata Atlântica. No caso da Amazônia, é necessária a inclusão de novos atores da região, ampliando as atuais parcerias. Uma nova proposta poderia buscar uma estratégia de proteção de um mosaico de ecossistemas críticos e concentrar esforços na criação de condições para o desenvolvimento sustentável da região, ampliando em muitos casos as lições aprendidas no âmbito do Programa.

Quando se fala de uma ‘nova fase’, isso não significa que o Programa tenha perdido sua atual relevância como instrumento de conservação das florestas tropicais. É preciso garantir
ainda a continuidade da experimentação, dos testes e análises de experiências realizadas em todos os seus subprogramas e projetos. A própria difusão das lições aprendidas com essa sistematização resultará em mais oportunidades de engajamento dos parceiros e dos governos estaduais brasileiros.
Os erros e os acertos do Programa Piloto têm ensinado que temos condições de buscar uma estratégia de sucesso para garantir a conservação das florestas tropicais. O Banco Mundial ‘retornou à Amazônia’ depois de experiências positivas colhidas de seu envolvimento com o Programa, esboçando uma ação estratégica de assistência regional para a Região Norte do Brasil. O Banco iniciou programas de empréstimos aos estados do Amapá, Amazonas, Pará e Tocantins. Da mesma forma, na Mata Atlântica estão sendo negociadas doações do Fundo para o Meio Ambiente Mundial – GEF, para a conservação da natureza nos estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo. O engajamento em um novo cenário para a Amazônia também
ganhou impulso em estudos setoriais realizados pelo Banco com a publicação de um estudo sobre as causas do desmatamento na Amazônia e com o lançamento pelo governo brasileiro do Plano de Ação Emergencial para a Rodovia Cuiabá-Santarém (BR-163).

O Seminário, realizado em Santarém em junho de 2005, deve renovar as esperanças de todos aqueles que se interessam pela causa global da proteção às florestas tropicais. Estamos
trabalhando juntos com o Governo do Brasil, parceiros da sociedade civil nacional, assim como com a comunidade internacional de doadores, com a finalidade de promover uma agenda
de desenvolvimento sustentável para as florestas tropicais do Brasil em apoio aos objetivos nacionais de equilibrar, por um lado, o crescimento econômico com desenvolvimento social e, de outro, a preservação da qualidade ambiental.

Comissão Européia
Esforço global para proteger os biomas florestais brasileiros
Nos últimos 10 a 15 anos, os doadores internacionais têm direcionado os seus programas ambientais – tanto bilaterais quanto multilaterais – aos problemas e potenciais das florestas
tropicais. Isso se justifica, dada a extensão da região e sua importância global, tanto para a conservação da biodiversidade como para a mitigação das mudanças climáticas globais.

As principais realizações do Programa Piloto na área da cooperação internacional estão, em sua maioria, relacionadas com a mobilização de recursos e com o melhoramento da coerência, da transparência e da flexibilidade da cooperação internacional. Embora o Programa tenha apresentado dificuldades, a função da cooperação internacional, por meio da assistência técnica, dos fundos e da flexibilidade para atividades de meio ambiente na Amazônia, mostrou-se de fundamental importância. Dessa forma, o Programa tem sido pioneiro em novas formas de cooperação internacional. Seu caráter inovador está relacionado com as seguintes características:
· a abordagem holística que remete ao desenvolvimento sustentável e à conservação ambiental vis-à-vis abordagens setoriais e regionais tradicionais;
· a estratégia que objetiva o desenvolvimento de soluções inovadoras e a sua demonstração;
· a estrutura de gerenciamento do programa, desenhada para incluir os seguintes elementos: (a) participação dos vários níveis de governo e de outras entidades brasileiras,
(b) participação de doadores, e (c) contratação de um organismo com alta alavancagem política e com procedimentos bem estabelecidos para a implementação
de um programa em larga escala (Banco Mundial).

Para a Comissão Européia, o Programa Piloto representa uma iniciativa única de cooperação aplicada e direta em resposta a problemas globais. A Comissão foi uma das instituições
pioneiras por trás da implementação original da iniciativa da Reunião de Cúpula de Houston, em 1990, e continua a ser o mais importante apoio financeiro do Programa, depois da Alemanha. No total, mais de 90% dos fundos do Programa Piloto provêm da União Européia e dos seus Estados-membros, na forma de doações. Ademais, o Programa Piloto tem proporcionado aos doadores da União Européia uma oportunidade única de assegurar a complementaridade entre os programas de cooperação bilateral dos Estados-membros e da Comunidade Européia com o Brasil. Vale ressaltar que o apoio ao Programa Piloto apresenta também um alto grau de coerência com as políticas da UE no âmbito das grandes convenções internacionais na área do meio ambiente e, particularmente, nas convenções sobre Diversidade Biológica e sobre Mudanças Climáticas. Nesse contexto e à luz do debate atual relacionado às mudanças climáticas, a consciência da importância de preservar as florestas é maior do que nunca. Essa preocupação se traduz na existência de uma linha orçamentária específica (Linha Florestas Tropicais e Meio Ambiente) que, além dos subprogramas e dos projetos do Programa Piloto, tem apoiado projetos de organizações não-governamentais ou de governos locais, selecionados mediante editais competitivos de abrangência mundial. Seis projetos foram recentemente aprovados por meio do edital de 2004, beneficiando a região amazônica e, em menor escala, a Mata Atlântica, num total de cerca 13 milhões de euros, destinados às seguintes instituições:
Imazon, WWF-Brasil, Cirad, Gret, Amigos da Terra e Birdlife. Esses projetos vão se somar a dois outros programas já em andamento, com o Ipam (Sustainable development of the Cuiabá-Santarém economic corridor in central Amazônia: reconciling economic growth and large-scale forest conservation4) e a ICCO (Sustained management of the quilombola communities’ lands, Amazonia, Brazil5) numa contribuição total de 3,6 milhões de euros.

A Comunidade Européia continua firme no propósito de apoiar os esforços brasileiros em prol do desenvolvimento sustentável da Amazônia e dos outros biomas florestais do País. Entretanto, apesar dos inúmeros êxitos, é preciso notar que o Programa Piloto tem apresentado deficiências que precisam ser remediadas, especialmente quanto à inserção dos programas nas políticas do governo e aos atrasos na implementação de certas ações. Por isso, a Comissão Européia compartilha a visão do governo sobre a fundamental importância da inserção dos programas de cooperação internacional, com o prolongamento do Programa Piloto dentro do Programa Amazônia Sustentável – PAS. Por outro lado, mecanismos ágeis de implementação devem ser impreterivelmente encontrados, tanto do lado dos doadores quanto do lado do Governo, de forma a maximizar a eficiência das ações empreendidas e especialmente os impactos positivos do Programa para as populações e os ecossistemas florestais. Acreditamos que a realização deste seminário do Programa Piloto chega em boa hora e poderá, com o empenho de todos os participantes, trazer
uma contribuição valiosíssima nesse sentido.

Desenvolvimento Sustentável do corredor econômico Cuiabá-Santarém: reconciliando o crescimento econômico com a conservação florestal em larga escala.
Manejo sustentável das terras das comunidades quilombolas, Amazônia, Brasil.

Cooperação Brasil-Alemanha

Uma parceria na área do desenvolvimento para garantir nosso futuro
A cooperação entre o Brasil e a Alemanha para a conservação da floresta tropical é um exemplo de política de desenvolvimento e uma resposta a um desafio global. Aderindo ao espírito da Conferência Rio’92 e cumprindo as obrigações colocadas pelas convenções internacionais sobre o meio ambiente, a Alemanha e o Brasil assumem a grande tarefa de deter a destruição dos recursos naturais, de conter os riscos para o clima global e de manter as reservas genéticas, que ainda podem ter um valor incalculável para as gerações futuras. Por isso, a Alemanha assume um papel importante no diálogo com as grandes nações industrializadas para convencê-las a realizar, conjuntamente com o governo brasileiro, um programa abrangente
para a proteção e o manejo sustentável das florestas tropicais brasileiras.

O Programa Piloto é hoje o maior programa mundial para a proteção de florestas tropicais
e para o manejo de seus recursos em um único país. Com seus diferentes componentes para a preservação da floresta, para a proteção do clima, para a manutenção da fertilidade do solo, para a conservação da biodiversidade e das reservas de água doce, mas também para a sua utilização econômica, observando os princípios da sustentabilidade e da manutenção do espaço vital para os povos indígenas, o Programa tem o caráter de modelo para programas integrados de desenvolvimento com dimensões globais.
O governo alemão apóia essa iniciativa por intermédio da Cooperação Financeira (KfW Entwicklungsbank) e da Cooperação Técnica (GTZ), além de subsídios para outras organizações alemãs de cooperação internacional que desenvolvem junto aos seus parceiros brasileiros projetos ligados à proteção de florestas e ao desenvolvimento sustentável. Devem ser mencionados especialmente o DED e as fundações ligadas a partidos políticos. Além dos instrumentos de cooperação bilateral, o governo alemão apóia com contribuições financeiras as atividades de organismos multilaterais como Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento e União Européia.

A multiplicidade dos instrumentos da cooperação representa um desafio conscientemente
assumido. Pretende-se superar projetos isolados e chegar a uma ação integrada de várias organizações, na qual cada uma possa contribuir com suas capacidades específicas para alcançar um objetivo comum.
Nesse contexto, a cooperação técnica e financeira tem a tarefa de buscar e financiar, junto com seus parceiros brasileiros, soluções inovadoras e preparar pessoas e instituições para colocá-las em prática. Em cooperação entre o governo brasileiro (Funai), Ongs e organizações dos próprios índios, por exemplo, foi elaborada uma nova forma de demarcação de terras indígenas, testada na demarcação da terra dos Waiãpi, no Amapá, e depois aplicada em muitas outras demarcações pelo projeto PPTAL.

No SPRN, a GTZ contribuiu decisivamente no desenvolvimento de uma metodologia de zoneamento ecológico-econômico participativo e apoiou os macrozoneamentos do Acre, do Pará e os zoneamentos locais em municípios do Amazonas e do Pará. Ainda no SPRN, a GTZ enfatizou questões de monitoramento, fiscalização e segurança ambiental envolvendo as polícias civil e militar e o Ministério Público nas atividades do projeto. Sem o estado de direito e a segurança pública aplicados à questão ambiental, nenhum desenvolvimento em médio e longo prazos seria possível, especialmente quando se trata de investimentos em alternativas sustentáveis de uso dos recursos naturais da Amazônia. No contexto de projetos ligados ao desenvolvimento sustentável, a GTZ introduziu, juntamente com os seus parceiros brasileiros e consultores internacionais, várias inovações nos projetos ProManejo, ProVárzea, PDA e PDPI. Também nos projetos bilaterais associados Prorenda-Pará e Apoio aos Pequenos Produtores Rurais (Idam-Amazonas), os consultores da GTZ tiveram um papel importante na busca de novos caminhos para o desenvolvimento local sustentável.

Cada vez mais importantes são os projetos de manejo de áreas protegidas, sejam corredores ecológicos, unidades de conservação estaduais e municipais ou do projeto Arpa, que recebe um co-financiamento da cooperação financeira alemã, por meio do KfW, de aproximadamente 17,7 milhões de euros. Esses recursos estão fora da estrutura formal do Programa Piloto, mas tematicamente interligados. Os projetos que recebem apoio dos consultores da GTZ têm importância não apenas para a proteção de biodiversidade, mas também para o ordenamento territorial da Amazônia.

No projeto AMA, as experiências dos projetos estão sendo sistematizadas e divulgadas.
A GTZ entende a cooperação como processo de aprendizagem mútua. Tão importantes quanto a transferência de experiências internacionais são as lições aprendidas no diálogo com os técnicos brasileiros e com a população da Amazônia em reuniões participativas. A interação intensiva com os agentes de cooperação financeira complementa o esforço conjunto. A missão do KfW, como agente financeiro encarregado dos projetos da cooperação financeira com a Alemanha, consiste em financiar ações de investimento com empréstimos de longo prazo, com taxas de juro reduzidas, ou com doações. O KfW avalia propostas de projetos, estrutura os financiamentos, conclui os contratos de empréstimo e de contribuição financeira, apóia e monitora a implementação dos projetos e realiza avaliações finais dos seus resultados. Também participa ativamente no diálogo setorial e nos mecanismos de coordenação dos doadores
nos setores prioritários. Seguindo nessa missão, a cooperação financeira participa no Programa Piloto atualmente em doze subprogramas e projetos na Amazônia, com um total de 185 milhões de euros, todos recursos com caráter de doação. Trata-se de uma contribuição financeira significativa, que facilita a implementação das ações de proteção dos recursos naturais e do meio ambiente.

Além do programa principal, o KfW financia projetos bilaterais na Mata Atlântica que estão de acordo com os objetivos do Programa Piloto. A Mata Atlântica é um bem de elevado valor, sobretudo por causa de sua notável biodiversidade e sua incalculável qualidade de vida, que devem ser preservadas sem medir esforços. O bioma Mata Atlântica é um dos mais importantes de todo o planeta. A Cooperação Alemã e o KfW assumem essa tarefa que a Natureza nos impõe, e pretende fazê-la juntamente com os seus parceiros nos estados, principalmente as secretarias estaduais de meio ambiente e as instituições florestais. Atualmente, o KfW está diretamente engajado em ações nos estados de Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo comprometendo um montante total de 57 milhões de euros. As atividades principais são investimentos na infra-estrutura de unidades de conservação
e em planos de manejo; medidas para fortalecer a fiscalização, o monitoramento e o controle florestal; atividades para prevenção de queimadas e incêndios florestais; e apoio a atividades destinadas a aperfeiçoar a gestão e a capacitar pessoal. Adicionalmente, o KfW está co-financiando o Projeto PDA Mata Atlântica, por meio do MMA, com um montante de 17,7 milhões de euros. Esse componente tem como objetivo fortalecer comunidades e organizações da sociedade civil para que desenvolvem e apliquem modelos inovadores e sustentáveis de preservação, valorizando os conhecimentos tradicionais. A cooperação alemã continua a se engajar na Amazônia e na Mata Atlântica para servir ao objetivo comum da conservação do meio ambiente e do ser humano que, ambos, se beneficiam de um meio ambiente sadio.

Cooperação do Reino Unido
A guinada necessária em direção às políticas públicas
O DfID participou no Programa Piloto por meio de assistência técnica aos subprogramas
Centros de Excelência, SPRN, PDA, Provárzea, Promanejo, PDPI e para a fase de transição. Acompanhou e, em alguns momentos, talvez até tenha fomentado a mudança de ênfase do Programa de gestão ambiental e proteção para meios de vida sustentáveis e transversalização das lições aprendidas.
Existe, entretanto, uma questão que até agora recebeu pouca atenção no âmbito do Programa: como funciona o processo de tomada de decisão nos vários níveis do governo e como influenciá-lo? Os projetos que mais explicitamente empenham-se na preparação de novas políticas e em como influenciar as existentes são o Provárzea e o Promanejo. O desenho original dos componentes ‘Estudos Estratégicos’ desses dois projetos pressupôs que influenciar políticas consiste em um processo bastante linear, que implica: identificação de lacunas de conhecimento; produção científica de conhecimento; e disseminação dos resultados dos estudos
conduzidos. Na preparação dos dois projetos esperava-se, aparentemente, que uma vez conhecida a ‘verdade científica’, os tomadores de decisão somente precisassem ser informados e ‘iluminados’ para que pudessem tomar a decisão certa.

Com base na experiência de hoje e nas dificuldades vivenciadas pelos dois projetos, o desenho original parece ingênuo. Seria, portanto, importante, ainda mais agora que o Subprograma
de Ciência e Tecnologia está prestes a começar a sua segunda fase, refletir melhor sobre a relação entre produção científica e processo de identificação e de tomada de decisões sobre políticas públicas.
Outra estratégia usada para influenciar políticas, no sentido de que reflitam melhor as necessidades e as aspirações da população é democratizar o processo de tomada de cisão por meio do estímulo à participação da sociedade. Apoiando as redes de organizações da sociedade civil na Amazônia e na Mata Atlântica e um grande número de iniciativas comunitárias, o Programa Piloto tem, sem dúvida, contribuído muito nesse sentido. Porém, até que ponto é válido o pressuposto de que uma maior participação democratiza o processo de tomada de decisão?

Um estudo feito no âmbito do Provárzea sugere que esse pressuposto não pode ser afirmado sem qualquer critério. Primeiramente, porque a esfera pública no Brasil costuma relacionar-se mais ao Estado que à sociedade. E, em segundo lugar, “resta a idéia de que essa mesma configuração jurídico-política da esfera pública de caráter estatal guarda em si, necessariamente, uma idéia de hierarquia também peculiar à nossa sociedade, que organiza quaisquer de seus espaços institucionais de acordo com ordens previamente e externamente construídas e que, conseqüentemente, classificam os diferentes segmentos de qualquer universo dado com critérios de excludência” (Kant de Lima, et al, 2002, p.5)6.
Portanto, parece que a proliferação de iniciativas participativas e a criação de conselhos municipais para envolver a população no processo decisório não se refletem automaticamente
em mudança de políticas que atendam melhor às necessidades e às aspirações da população. As conclusões do estudo de Kant de Lima et al (2002) sugerem que a relação entre participação e tomada de decisões precisa ser mais bem analisada.

O DfID tem apoiado, no âmbito do SPRN (MA), a implementação da abordagem Gespar
– Gestão Participativa para o Desenvolvimento Local, que contém três componentes básicos.
O primeiro consiste na mobilização da população local para que elabore uma visão realista
para o futuro. O segundo componente envolve treinamento dos governantes locais no sentido de provocar uma mudança de mentalidade; em vez de ‘autoridades’, eles passam a se ver como ‘servidores públicos’. O terceiro componente promove a articulação da visão do futuro com serviços e programas públicos existentes. Os únicos insumos externos são apoio para o treinamento e para o acompanhamento da população na articulação das suas necessidades com os programas e serviços públicos. Dessa forma, obteve-se um certo êxito na criação de um espaço público mais democrático, em que diferentes interesses podiam ser identificados e em que conflitos sobre prioridades e usos de terra eram negociados.